6 direcionamentos globais que irão impactar as empresas

O novo pensamento da classe média, o maior poder da mulher na sociedade, as possibilidades permitidas pela tecnologia, as mudanças na logística e as prioridades das empresas são alguns dos direcionamentos da…

O novo pensamento da classe média, o maior poder da mulher na sociedade, as possibilidades permitidas pela tecnologia, as mudanças na logística e as prioridades das empresas são alguns dos direcionamentos da sociedade que estão reconfigurando os negócios no mundo. Na América Latina, as tendências globais apresentam características particulares e impactam a vida e os empreendimentos locais.

A região passa por uma fase de grandes mudanças e oferece oportunidades para varejistas, fornecedores e fabricantes. A afirmação de David Marcotte, Vice-Presidente Global para Insight de Varejo da Kantar Retail, resume sua visão sobre as perspectivas para os países latino-americanos. No Brasil, David Marcotte apresentou a clientes e grandes companhias do varejo seis direcionamentos que mostram importantes peculiaridades que afetam os negócios e que não podem ser ignorados pelas empresas. “O mundo muda com muita velocidade e alguns pontos precisam ser olhados com atenção pelas empresas urgentemente. Isso pode garantir se elas serão ou não competitivas no próximo ano”, avalia.

Novo pensamento da classe média
A primeira questão que impacta o mercado tem relação com as transformações sofridas no perfil das classes sociais. A ascensão da classe C no Brasil não é novidade, mas engloba questões relevantes sobre a maneira como as pessoas se comportam e sobre as alterações em suas prioridades. O atual pensamento da classe média no país e em geral no mundo inclui uma série de particularidades sobre a configuração da própria estrutura familiar. Pessoas que adquirem um maior poder aquisitivo ou que enxergam oportunidades de estabilidade tendem a acreditar em um futuro previsível, se preocupar mais com a educação dos filhos e ter uma família menor. A atitude passa a ser baseada em planejamento e investimento.

A mudança faz com que as pessoas comecem a desejar e adquirir melhores produtos e serviços. Por causa disso, o que se vê é um grupo cada vez maior viajando de avião e buscando formas de lazer mais sofisticadas. Ao mesmo tempo, é cada vez mais comum que as pessoas tenham menos tempo para fazer todas as atividades básicas e de entretenimento. “A conveniência é um ponto importante para as empresas se relacionarem com os consumidores que não encontram tempo para fazer compras ou até para sentar e comer”, analisa Marcotte.

Maior poder da mulher na sociedade
Outras alterações na relação familiar e no mundo corporativo são trazidas pelo maior poder da mulher na sociedade. Apesar de em alguns países de cultura mais rígida e tradicional o sexo feminino ainda ser visto como inferior ao masculino, em muitas nações as mulheres assumiram uma posição bem diferente e têm se dedicado para assumir posições relevantes no mercado de trabalho. “Nas últimas duas gerações, a mulher tem tido uma educação e um preparo até melhor do que os homens. Isso impacta na maneira como as famílias são criadas e administradas, na dinâmica do mercado e na comunidade como um todo”, avalia David Marcotte.

No Brasil, devido à luta pelo desenvolvimento social, cultural e político, as mulheres têm conquistado cada vez mais espaço nas empresas. A maior autonomia financeira faz com que elas tenham atitudes mais independentes e maior poder decisório. Tudo isso faz com que um número grande assuma o comando dos lares e o núcleo familiar se torne menor, embora o gasto por filho aumente.

Deslocamento do trabalho e consumo
O terceiro direcionamento aponta para o deslocamento do trabalho e do consumo. Ao longo dos anos, muitas empresas migraram para países em desenvolvimento por causa dos baixos salários e impostos. O pensamento inicial era produzir nesses locais devido aos custos reduzidos, o que nem sempre se manteve dessa forma. Hoje nota-se que os gastos com a produção tendem a aumentar com o tempo, da mesma forma em que mais pessoas começam a ascender para a classe média devido às novas oportunidades de trabalho e salário.

O uso de robôs, diminuindo custos de produção, e a inserção do consumidor como centro do negócio estão fazendo as empresas se preocuparem com questões que vão além dos gastos de fabricação. Os clientes são o verdadeiro ponto que direciona onde o trabalho será feito.

Mudanças na cadeia de suprimentos e logística
Não é tão fácil para as empresas, porém, entrar e expandir em um país sem que haja uma infraestrutura para que as mercadorias sejam comercializadas e distribuídas. Apesar da importância do tema, nem sempre houve uma conscientização por parte governos latinos sobre o quanto a questão é crítica para o desenvolvimento e crescimento do país. A má condição das estradas é um grande problema no Brasil, mas a utilização de containers, especialmente em transporte por navios, mostra-se como uma forma de transporte rápida que contorna o problema. “Alguns governos estão construindo e reformando um número maior de portos em comparação às rodovias por verem nessa uma forma melhor de investimento”, destaca Marcotte.

Integração do Marketing com os dispositivos móveis
Além de permitir o desenvolvimento de ferramentas que armazenam e analisam informações, a tecnologia influencia diretamente no comportamento dos consumidores. O número de pessoas que têm acesso a dispositivos portáteis e acessam internet de qualquer lugar tem crescido no mundo e não é diferente nos países da America Latina. “Algumas pessoas não dirigem mais sem GPS, muitas não saem de casa sem o celular e se você trabalha com Marketing é essencial saber lidar e trabalhar com esse ambiente digital. Considero esse o principal desafio para os próximos anos”, avalia Marcotte.

Os consumidores de hoje frequentam as lojas físicas das varejistas ao mesmo tempo em que pesquisam preços nas suas lojas virtuais e nos concorrentes. Crianças usam iPads e iPhones com naturalidade e uma recomendação no Facebook pode gerar mais intenção de compra do que uma ação em mídia tradicional. Tudo isso muda a forma como as pessoas consomem e se relacionam com as marcas. “As relações de compra estão mais complexas e as empresas precisam implementar ações voltada para isso agora, não amanhã”, avisa Raul Porto, da TNS.

Além de acompanhar todos os seis temas com atenção, as companhias devem olhar suas próprias ações, estruturas e formas de pesquisas para não se tornarem defasadas. “As empresas fazem pesquisas para avaliar o que ocorreu há um ano e seis meses com o negócio e se esquecem de se programar para o futuro olhando o agora e o daqui a pouco. Os estudos devem sempre antecipar o que vai vir pela frente”, analisa David Marcotte.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais