6 direitos dos comerciantes que o cliente não sabe

O Código de Defesa do Consumidor completou 25 anos e o que se vê é uma intensa análise do quanto o consumidor ganhou com a Lei que é uma das mais avançadas do mundo e uma das poucas no Brasil que deram certo.

O Código de Defesa do Consumidor completou 25 anos e o que se vê é uma intensa análise do quanto o consumidor ganhou com a Lei que é uma das mais avançadas do mundo e uma das poucas no Brasil que deram certo. Contudo, conforme explica o advogado especialista em direitos do consumidor e do fornecedor Dr. Dori Boucault, os comerciantes também têm direitos que devem ser respeitados. 

Ele explica que alguns direitos dos fornecedores, como recusar a troca do produto que não apresenta defeito, são desconhecidos por boa parte dos consumidores. E esse desconhecimento pode causar algumas situações constrangedoras na hora da compra.

“O consumidor não pode exigir um direito que não lhe pertence, por isso, é importante se inteirar sobre quais os direitos legais do comerciante durante a compra”, explicou o especialista em nota.

Confira os direitos que os comerciantes têm e que poucos conhecem.

1. Direito de 30 dias para trocar, consertar ou corrigir o produto
O comerciante não é obrigado a resolver no mesmo instante o problema apresentado pelo consumidor. “O fornecedor tem até 30 dias para trocar ou corrigir o produto, não precisa resolver na hora”, explica Boucault.

2. Direito de não trocar um produto
Sim, o comerciante tem o direito a recusar a troca do produto quando este não apresenta nenhum defeito. Segundo o advogado, essa situação ocorre muitas vezes quando o consumidor compra um presente e precisa trocá-lo depois.

3. Não tem obrigação de fazer o preço de um produto igual a outro
Se um produto está exposto sem preço a um que tem o preço indicado, o comerciante não é obrigado a vender os dois pelo mesmo preço. “Isso nós chamamos de lateralidade. Por mais que o produto seja apresentado sem preço ao lado de outro que contém a etiqueta com o valor, o comerciante não é obrigado a vender os dois pelo mesmo preço. Nesse caso, ele pode até ser multado por não indicar o preço”, afirma Boucault.

4. Obrigação de aceitar pagamento em dinheiro
O comerciante é obrigado a aceitar pagamento em moeda ou cédula, porém não tem nenhuma obrigação de aceitar cartão de crédito ou cheque. Contudo, é preciso avisar o consumidor sobre as possibilidades de pagamento na entrada do estabelecimento, na vitrine, na porta, em placas, de forma que fique visível ao consumidor.

5. Direito de cobrar couver artístico
O estabelecimento comercial pode cobrar o couver artístico, quando o artista está presente e faz alguma apresentação ao vivo.

6. Direito de recusar troca em caso de mau uso
O comerciante tem o direito de recusar a troca ou o cancelamento da venda quando o produto ou serviço apresenta algum defeito decorrente de mau uso. “Se o produto não se apresenta impróprio ao uso ou consumo e é constatado o uso indevido, ele pode reusar a troca”, explica Boucault.

Fonte: No Varejo

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais