6 passos para e-commerce cumprir o CDC

Advogado explica como o comércio eletrônico deve se organizar para cumprir as regras do CDC

Junto com o crescimento do e-commerce, os varejistas virtuais devem se organizar constantemente, principalmente em…

Advogado explica como o comércio eletrônico deve se organizar para cumprir as regras do CDC

Junto com o crescimento do e-commerce, os varejistas virtuais devem se organizar constantemente, principalmente em relação a legislações sobre o mercado. O advogado especializado em direito do consumidor, Orlando Zara, listou 6 dicas para uma das questões mais importantes do e-commerce em relação ao direito do consumidor: a troca de produtos.

1 Conheça profundamente o Código de Defesa do Consumidor
“Uma simples compra pode trazer danos que prejudicam a reputação dos varejistas, e consequentemente, causam desgaste financeiro não programado”, analisa Zara. “As empresas precisam conhecer profundamente o Código de Defesa do Consumidor (CDC), e criar uma política de relacionamento com o cliente, com regras de troca e reparos”, explica.

2 Atenda bem
Geralmente, segundo o advogado, mesmo que aconteça algum incidente, quando o consumidor é bem atendido não procura os órgãos de proteção ao consumidor, nem sites de reclamação, muito menos processam seus fornecedores.

3 Tenha uma Política de Relacionamento
De acordo com Zara, na política de relacionamento deve conter informações amplas sobre as características dos produtos, forma e adequação de uso, além de um canal de comunicação de fácil acesso. “É fundamental ser rápido no atendimento à reclamação”, completa.

4 Evitar a transferência de responsabilidade
A transferência de responsabilidade para terceiros que não participam da negociação é outro fator que deve ser evitado. “Não adianta, por exemplo, o vendedor culpar o fabricante e não fazer a sua parte para atender a reclamação, uma vez que Código de Defesa do Consumidor coloca todos os fornecedores da cadeia como responsáveis solidários”, explica o advogado.

5 Cumpra os prazos ou negocie com o consumidor
Zara orienta: caso o varejista saiba que não poderá cumprir o prazo, por motivos alheios à sua vontade, para evitar problemas, precisa expor rapidamente a situação ao cliente, ofertando imediatamente a troca de produto similar ou superior, bem como devolução do dinheiro.

6 Mantenha relacionamento com fornecedores comprometidos
É indispensável que o varejista mantenha relacionamento comercial com fornecedores parceiros que tenham o mesmo comprometimento com o atendimento do consumidor, facilitando o reparo ou troca de produtos defeituosos. Caso contrário, mesmo que faça sua parte, pode ter prejuízos ou imagem desgastada.

Veja também

    NoticiasMarketing

    Em busca do melhor ponto comercial

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Lajeado recebe a FBV Talks para debater o futuro do presente no varejo

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Café com Lojistas apresenta o significado do varejo e dicas do que está em alta ...

    Veja mais
    Noticias

    Reunião de Diretoria Ampla debate temas jurídicos relevantes ao comércio

    Veja mais