6 projeções para o e-commerce brasileiro

Apesar da crise, o e-commerce cresceu 16% no Brasil durante os seis primeiros meses de 2015, de acordo com a 32ª edição do WebShoppers, relatório sobre o comércio eletrônico brasileiro divulgado pela E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico.

Apesar da crise, o e-commerce cresceu 16% no Brasil durante os seis primeiros meses de 2015, de acordo com a 32ª edição do WebShoppers, relatório sobre o comércio eletrônico brasileiro divulgado pela E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico.

“Embora esteja bem abaixo do aumento nas vendas de 2013 e 2014, o número é expressivo num semestre em que boa parte do mercado encolheu”, disse Rafael Campos, sócio-diretor da VTEX, fornecedora de software de e-commerce e soluções omni-channel, durante o Super Mercado Digital 2015. 

Segundo o executivo, diversos estudos apontam para mudanças que deverão mudar a forma de se comercializar produtos e serviços na Internet. Confira a seguir seis aspectos que estão moldando o e-commerce brasileiro:

1. Pesquisa on-line, compra off-line 
A representatividade do mercado on-line não está somente no ato da compra, mas sim da pesquisa, garante Campos. Dados do Forrester Research Web-Influenced Retail Sales Forecast de 2013 em relação a 2018 apontam que, nos Estados Unidos, as pessoas que fazem compras on-line ou são influenciadas pela web a comprar representam um número maior do que aquelas que são influenciadas somente pelo ponto físico e compram através dele.

2. Queda do frete grátis
Campos enfatiza que o e-commerce vem aplicando cada vez menos a política de frete grátis. “Com as margens cada vez mais apertadas no comércio eletrônico, cada vez mais o varejo on-line transfere este custo para o consumidor. E ele paga por essa comodidade e conveniência, dando mais fôlego para o e-commerce”, afirma o executivo. Segundo tendência registrada desde julho de 2014, as lojas de e-commerce diminuíram o percentual de frete grátis. Como consequência, temos um crescimento de 21% no valor total de pagamento de frete pelo e-consumidor de R$ 544.081.081 no primeiro sem de 2014 para R$ 659.843.814 no primeiro sem de 2015.

3. Brasil: mais potencial do que desenvolvimento
O porta-voz da VTEX indica que, segundo dados norte-americanos, o Brasil tem baixo nível de desenvolvimento de e-commerce em relação a outras nações. Mas por outro lado seu potencial de crescimento é imenso.

Na América Latina, por exemplo, o Brasil representa 50% do comércio on-line de eletrônicos, o que pode ser em parte explicado por seu tamanho e a maturidade que alcançou nos últimos anos. Por outro lado, a Argentina, que é um país muito menor do que o Brasil com 45 milhões de pessoas (quase o tamanho do Estado de São Paulo), representa 31%.

“O interessante é que no comércio de comidas e bebidas a Argentina representa 15% no cenário mundial, enquanto o Brasil apenas 3%. Ou seja, embora os argentinos sejam muito mais imaturos que a gente neste segmento, no e-commerce eles são extremamente mais eficientes do que nós”, garante Campos.

4. Simbiose de canais físicos e virtuais
Será que o e-commerce deverá representar o fim das lojas físicas? Para Rafael Campos isto é mito. “Na verdade eles são canais complementares e devem sobreviver juntos”, propõe o sócio-diretor da VTEX. Para ilustrar como isso deve funcionar ele citou uma informação divulgada por Terry Lundgren, CEO da Macy’s, multinacional norte-americana de lojas de departamento, fez durante o NRF Big Show de 2010: “A cada 1 dólar gasto na Macy’s, nos próximos 10 dias vão ser gastos em média US$ 5.77 numa loja física da Macy’s”.

Campos defende ainda que não existe “cliente on-line” e “cliente off-line”: eles são a mesma pessoa em momentos diferentes. “Há o momento em que o consumidor está atrasado para o trabalho e não consegue cozinhar, mas há outro momento em que você ele tem tempo e faz questão de preparar sua refeição. Ele muda de acordo com a sua necessidade”, disse ele durante o Supermercado Digital 2015.

5. Funil de vendas deve ser cada vez mais estreito
Uma diferença crucial entre o e-commerce e a loja física é que você paga pelo fluxo de consumidores. “No mundo do e-commerce, a cada 1 mil pessoas que o visitam somente 16 compram, ou seja, a taxa de conversão é de apenas 1,6%. Essa taxa é muito baixa em relação ao Estados Unidos, onde o mercado apresenta uma taxa de 3,6-4%, bem mais elevada que a nossa”, alerta Campos. Um dos fatores que vem colaborando com o achatamento da taxa de conversão no comércio digital é justamente o aumento de players no segumento: “houve mais gente entrando no e-commerce nos últimos cinco anos, o que vem elevando o preço das palavras cobradas pelo Google para trazer mais tráfego”, sugere o executivo.

6. Processos simples ajudam a reduzir custos 
Se você tem um checkout rápido e eficiente, onde não são exigidas entradas de muitos dados por parte do consumidor, a taxa de conversão aumenta. Rafael Campos afirma que um checkout otimizado pode reduzir a necessidade de um força de marketing intensa, proporcionando mais vendas com custo equivalente ou menor. Entre outras soluções que podem contribuir neste sentido o porta-voz da VTEX destaca ainda a melhoria na interface gráfica da loja, a redução do tempo de resposta de abertura de página, simplificação de processos de cadastramento, leitura de estoque múltiplas e a captura de novos clientes em canais já existentes.

Fonte: No Varejo

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais