A cultura de inovação ganha força nas grandes empresas

Corporações investem em tecnologia, estrutura e envolve seus funcionários  em programas criativos

Inovação é a palavra da vez no universo corporativo. Mais que um jargão ou uma moda, representa uma mudança de atitude na cultura das empresas. Aquele momento em que conceitos, valores e missão são revistos, além, claro, da tecnologia.

“Na verdade, a inovação sempre existiu, o que ocorre agora é que as empresas perceberam a sua importância e estão colocando em prática”, explica o professor da FEA-USP, Moacir de Miranda Oliveira Júnior.

Para que a inovação de fato surja nas empresas é preciso que haja planejamento e estratégias, que sistemas sejam desenvolvidos e que pessoas reconheçam a inovação como um valor. “Empresas tradicionais, focadas em commodities, estão preocupadas sempre em reduzir custos para ter uma margem maior. Uma empresa que inova busca melhorar o seu produto, investe em novos mercados para conseguir uma margem maior. ”

E como envolver pessoas nesse processo? “Há duas décadas, por exemplo, a IBM decidiu que 50% de sua receita viria de produtos lançado nos últimos 5 anos, ou seja, estimulou seus funcionários a produzirem coisas novas todos os anos. ”

Para o professor, as empresas conseguem inovar quando envolvem seus colaboradores. A Roche Farma Brasil criou um novo modelo batizado de Roche Experience, que tem como objetivo estimular o protagonismo na carreira e no trabalho.

“Criamos vários tipos de programas de desenvolvimento com foco no aprendizado e sempre com aplicação prática”, diz a diretora de recursos humanos, Denise Horato. Nesse modelo, as pessoas foram convidadas a sair da empresa.

Os colaboradores tiveram a oportunidade de conhecer outros segmentos completamente diferentes do ramo que atuam. “Fomos até a Sala São Paulo para acompanhar uma apresentação da Osesp (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo). Ali pudemos conferir um trabalho de alta performance e de disciplina. Depois, fomos assistir a uma apresentação de uma banda de jazz, vimos como improvisam, como compartilham a liderança dentro do palco. ”

No programa, ainda, estavam previstas visitas ao Cubo do Itaú, a RedBull Station e o aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. Após as atividades, todos foram convidados a compartilhar suas experiências para entender qual o significado daquilo para a organização.  Para os estagiários, a plataforma ganhou o formato de game, mais interativo.

“Reunimos profissionais de áreas diferentes da empresa, assim como de diferentes níveis e cada um trouxe sua vivência, o seu olhar”, diz Denise. A plataforma, que não era obrigatória, contou com 80% de adesão dos funcionários e já rendeu frutos. “Um aplicativo foi desenvolvido no qual cada um compartilha suas qualidades, divide conhecimentos e, de forma colaborativa, um pode ajudar o outro. ”

A plataforma também ousou ao abrir espaço para a tentativa e erro. “O mais fácil seria repetir um modelo. Arriscamos, as pessoas poderiam não ter gostado. Tivemos coragem para lançar um programa, podendo errar e também aprender com esses erros. Acredito que uma vez picados pelo mosquito da inovação, nunca mais conseguimos parar.”

Fonte: R7

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais