A experiência de compra: classe média vai além do preço e busca qualidade, marca e atendimento

Passada a fase de satisfação pelo acesso a bens e produtos essenciais, a nova classe média brasileira assume a retórica do “eu mereço”. Com dinheiro no bolso, os consumidores não buscam mais apenas preço…

Passada a fase de satisfação pelo acesso a bens e produtos essenciais, a nova classe média brasileira assume a retórica do “eu mereço”. Com dinheiro no bolso, os consumidores não buscam mais apenas preço baixo, mas também qualidade, marca e atendimento. O que antes era uma necessidade básica parte agora para a chamada experiência de compra – onde elementos emocionais assumem uma figura quase primordial.

Com cerca de 95 milhões de pessoas – 50% da população brasileira -, a classe C se consolidou como a maior consumidora de bens e serviços no país. No ano passado, os integrantes da nova classe média movimentaram R$ 881 bilhões, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Produtos até então desejados e admirados saíram do imaginário e foram parar em carrinhos e sacolas de compras. Junto com o aumento do consumo, puxado pelo incremento da renda, um novo movimento começou a mudar as aspirações dessa camada social. — Não é só a qualidade do produto que conta, mas também questões sociais e psicológicas — aponta Genaro Galli, diretor de pós-graduação e extensão da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) de Porto Alegre.

Para o especialista, as associações em torno da oferta carregam consigo elementos que proporcionam experiências emocionais a esses consumidores emergentes. — Comprar a marca líder não significa apenas levar um produto melhor para casa, mas sim o sentimento de estar incluído — define Galli.

Vencida a etapa da “experimentação” de produtos e serviços, o consumidor da classe C não quer mais ser atendido de qualquer jeito. Ele quer ser diferenciado para se sentir especial – uma espécie de reconhecimento ao status social atingido. — Esses consumidores buscam a chamada experiência de compra, fortalecida por um movimento de autoindulgência, com o conhecido jargão do “eu mereço” – explica Roberto Kanter, professor de marketing e varejo da Fundação Getulio Vargas (FGV).

E, para a classe média, não há espaço para erros na hora da compra: é preciso custo acessível e qualidade. Aos 33 anos, a vendedora autônoma Silvia Cristina Carvalho de Oliveira, de Canoas, possui os bens essenciais em sua casa. Com renda familiar de aproximadamente R$ 1,6 mil e acesso ao crédito, ela pretende comprar uma televisão de plasma ainda neste ano. — Não é barata, mas quem não quer uma televisão dessas em casa – disse Silvia, ao admirar o aparelho em uma loja no centro de Porto Alegre, ao lado do filho João Vitor, de três anos.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais