A fórmula de sucesso do empreendedor em cinco passos

Em 2016, ultrapassamos a marca de 12 milhões de desempregados e isso desencadeia um número impactante na abertura de microempresas

O ano começa e muitas pessoas resolvem abrir seu próprio negócio. Mas vale um alerta: recentemente, o IBGE divulgou uma pesquisa onde revela que, de cada 10 empresas abertas no Brasil, 6 fecham antes de completarem 5 anos. É triste saber dessa realidade, ainda mais pelo fato de que 99% das empresas no brasil são micro ou pequenas.

Segundo o Sebrae, os principais motivos para a taxa de mortalidade das micro e pequenas empresas são: planejamento ineficaz, qualificação inadequada, falta de recursos financeiros, burocracia excessiva e escassez de clientes.

Há o empreendedor que abre o negócio porque identificou uma oportunidade e outro que abre apenas por uma necessidade à medida que ficou sem seu emprego formal. Em 2016, ultrapassamos a marca de 12 milhões de desempregados e isso desencadeia um número impactante na abertura de microempresas. Segundo dados da revista PEGN, a taxa de empresas abertas por necessidade passou de 29% para 44%, voltando ao patamar de 2007. Isso se torna um grande risco para a sobrevivência do negócio.

Analisando este cenário, desenvolvi uma fórmula, em 5 passos, que pode ajudar quem está pensando em empreender e também balizar as ações do empreendedor que luta contra a crise, mas não sabe aonde pode estar errando.

1- Paixão

“Encontre um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida." (Confúcio)

Quando amamos o que fazemos, engajamos as pessoas ao nosso redor, o esforço é maior, os problemas transformam-se em etapas e os resultados sempre parecem mais próximos.

Sim, há grandes investidores que ganham muito dinheiro comprando e vendendo empresas sem amar o negócio, mas como vimos acima que, quase a totalidade das empresas brasileiras é formada por microempresários, vale a pena levantar todo dia e batalhar pelo que realmente se ama.

Mas só paixão não garante a sobrevivência, é preciso outro “P”.

2- Planejamento

Cuidado para não ficar tão envolvido no operacional (corre-corre cotidiano) e se esquecer do planejamento, traçar os próximos passos da empresa. Outro mito e um erro comum nos empreendedores por necessidade, é que muitos deles abrem e quebram em seguida, pois pensavam que iam trabalhar menos e que não teriam patrão. O patrão da empresa é o cliente e, às vezes, não perdoa uma única falha.

Planejar as finanças: muitos nem fazem a separação do dinheiro da empresa do pessoal. Precisou de uma grana, abre a gaveta da empresa e pega sem nem mesmo fazer os lançamentos das retiradas.

Antes de abrir o negócio, pesquise muito, estude a concorrência, o ponto que pretende abrir, as opiniões dos clientes e aprenda com os erros dos outros, pois é mais rápido e barato. E muito cuidado! Certa vez, Benjamim Franklin disse: “Quem falha em planejar, planeja falhar”.

3- Possibilidades

O sucesso de ontem não garante o de amanhã, ou seja, cuidado quando o negócio começa a decolar, pois a tendência é cair na zona de conforto e isso pode ser fatal.

O ciclo de vida de um produto passa pelos estágios de introdução, crescimento, maturidade e declínio. Portanto, reinventar-se é uma variável vital para se manter atuante num mercado cada vez mais competitivo e inovador.

Como exemplos, veja o caso da AIRBNB, fundada em 2008 em plena crise e, hoje, vale mais de 100 bilhões de reais. E a empresa Americana UBER, fundada em 2009, que já vale de 200 bilhões de reais, mais que a GM, FORD e Petrobras?

No Brasil, 77% das empresas listadas entre as 500 maiores em 1973, já desapareceram dessa relação.

E quem é responsável pelos passos 1, 2 e 3 que citamos acima? O “P” mais importante: Pessoas.

4- Pessoas

São as pessoas certas, nos lugares certos e motivadas que têm o poder de multiplicar um negócio.

Muitas vezes, o pequeno empreendedor começa sozinho ou com a ajuda de familiares, mas à medida que vai crescendo, precisa de gente para cuidar dos processos e dos clientes. Essas pessoas precisam conseguir manter a trajetória da organização, mas a baixa qualificação, desconhecimento da cultura da empresa e o não engajamento total, as tornam ineficazes, desmotivadas e o resultado pode ser desastroso.

Segundo Jim Collins, autor do livro “Empresas feitas para vencer”, o maior ativo de uma organização não são as pessoas, são as pessoas certas. Reflita sobre quem você tem ao seu lado e quanto isso pode comprometer o desempenho de sua empresa.

São as pessoas que vão te ajudar a conquistar clientes, agigantar o seu negócio, portanto, cuide da sua equipe com o mesmo zelo e carinho como imagina cuidar dos clientes externos.

5- Resultado

A observância e o monitoramento das variáveis acima são cruciais para a sobrevivência das empresas, principalmente para os micro e pequenos empreendedores no Brasil.

É utópico afirmar que se trata de uma fórmula que garante o sucesso, mas uma coisa é certa: irá minimizar os riscos e maximizar as chances de sucesso, ou menos alertar quem mais precisa. A fórmula “P + P + P X P = R” se trata de um ótimo raio "x" para o seu negócio. Pense nisso!

 

Fonte: Administradores

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais