A moeda da próxima geração

Substituição de cartão de crédito por pagamento pelo celular aceleraria o atendimento em grandes eventos

Uma mobilização silenciosa está ocorrendo para modernizar e acelerar o sistema de pagamentos no Brasil. A proposta é reduzir o cartão a um chip de celular. Na semana passada, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, reuniu-se com o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, para combinar a montagem imediata de um grupo que cuidará da regulamentação do serviço e da formatação de um projeto de lei.

– O sistema pode representar uma alternativa importante para a inclusão do setor não bancarizado. No Brasil, o celular está muito mais difundido que o cartão, e podemos aproveitar isso – acredita Diogo Barcellos Ferreira, especialista em políticas públicas e gestão governamental do Ministério das Comunicações.

A estimativa da empresa de pesquisas Juniper é que, até 2016, 13% dos bilhetes de transporte público sejam pagos por telefone nos EUA e Europa. No Brasil, o sistema passa por testes, e a implementação depende de um acerto que está sendo feito entre instituições bancárias, operadoras de cartões, agências reguladoras, comércio e serviços.

– Ainda falta ajustar o modelo de negócios e acertar detalhes entre os parceiros. Toda adoção de tecnologia precisa ser esmiuçada antes de ser apresentada ao público. Com os chips foi assim. O Brasil levou alguns anos para desenvolver seu sistema, mas em menos de cinco anos chegou ao segundo lugar em adoção de cartões com chip – justifica Percival jatobá, diretor executivo sênior de produtos da Visa do Brasil.

Uma das apostas é o uso do Near Field Communications (NFC), tecnologia que permite a conexão sem fio a curtíssima distância.

– O futuro dos pagamentos está na convergência dos dispositivos. Soluções de pagamento com o telefone não são apenas uma alternativa, são um pilar na nossa estratégia – diz Luiz Guilherme Roncato, vice-presidente de plataformas inovadoras da MasterCard Brasil e Cone Sul.

Operações de baixo valor são o foco

Mais importante que diminuir o número de cartões na carteira, o objetivo do sistema é acelerar o andamento das filas em grandes eventos. Roncato ressalta que o alvo seriam as operações de baixo valor – abaixo de R$ 50 – em estádios, cinemas, estacionamentos, transporte público e outras situações que têm a tendência a formar fila na hora do pagamento.

A segurança é a principal preocupação. Jatobá garante que toda a comunicação entre o celular e a máquina de pagamento será criptografada, para dificultar o roubo de dados. Operações de alto valor exigirão senha. E, caso o aparelho seja perdido, pode ser bloqueado à distância e o chip, destruído. No entanto, nas operações com o Google Wallet, sistema de pagamento por celular que chegou há poucos meses aos Estados Unidos, já foram descobertas falhas de segurança. O Google garante que corrigiu esses problemas e afirmou que é mais seguro pagar por celular do que por cartão.

O Google Wallet não tem data para chegar ao Brasil, e seu modelo deve sofrer ajustes.

– Nem todas as situações que funcionam nos Estados Unidos são adequadas ao Brasil. Por lá, o Google Wallet foi muito eficiente para os motoristas no abastecimento, porque não há frentistas e o inverno rigoroso dificulta tirar as luvas para digitar a senha na máquina de cartão. Aqui, não temos essa necessidade, mas o celular seria útil nos restaurantes de comida a quilo, por exemplo – exemplifica Roncato.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais