BC de Dilma age para frear real

De olho em negócios que valorizam o real, o Banco Central (BC) anunciou ontem medida para forçar a compra de dólar, dois dias depois que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, advertiu que o governo não…

De olho em negócios que valorizam o real, o Banco Central (BC) anunciou ontem medida para forçar a compra de dólar, dois dias depois que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, advertiu que o governo não deixaria a moeda “derreter”. Especialistas projetam valorização gradual da moeda americana, que poderia recuperar o patamar de R$ 1,80.

Portaria baixada ontem pelo BC estabelece que bancos com mais de US$ 3 bilhões ofertados no mercado futuro – chamados de “vendidos” no jargão financeiro – terão de recolher 60% do valor excedente ao Banco Central, em espécie e sem remuneração a partir de 4 de abril. Segundo o diretor de Política Monetária do BC, Aldo Luis Mendes, a medida é preventiva, para evitar que uma hipotética alta externa do dólar comprometa o equilíbrio dos bancos “vendidos”. Mas admitiu que, ao gerar demanda pela moeda americana no Brasil, deve “fazer com que a cotação suba”. Caso todas as 35 instituições nessa situação se adaptem para evitar o recolhimento, projetou Mendes, o total das posições vendidas deve cair de US$ 16,8 bilhões para US$ 10 bilhões. – O objetivo do BC não é arrecadar compulsório, é fazer com que os bancos se enquadrem e reduzam as posições vendidas, para que o preço do dólar deixe de ser manipulado e busque valor mais próximo da realidade, entre R$ 1,80 e R$ 1,85 – avaliou Sidnei Nehme, da corretora de câmbio NGO.

Para Nehme, ao fazer leilões de dólares superiores às necessidades, o BC induzia o acúmulo de posições. A meta, sustenta o especialista, era usar o câmbio apreciado para ajudar a controlar a inflação, já que importados baratos desencorajavam reajustes de preços. – Quando os bancos ficam vendidos, trabalham para apreciar o real. Este governo, diferentemente do anterior, mostra que vai controlar a inflação a partir das causas, e não das consequências. No cenário anterior, tínhamos um ambiente em que o governo gastava muito e consumo estava muito aquecido, o que era combatido com juro alto e real apreciado – acrescenta Nehme.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais