Brasileiros estão ávidos para gastar

Crise financeira na Grécia, inflação em alta e aperto monetário no Brasil. Nada disso abalou a disposição do brasileiro em gastar. Segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC) obtido…

Crise financeira na Grécia, inflação em alta e aperto monetário no Brasil. Nada disso abalou a disposição do brasileiro em gastar. Segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC) obtido pelo Correio, na comparação entre abril e maio, o indicador que mede a disposição das família sem ir às compras avançou 2%.

Quando se olha apenas para o índice atual de consumo, o salto foi de 3,8%. Já a intenção futura de compras cresceu 1,7%. Esses números, junto com os dados de satisfação do consumidor, formam um dos melhores meses para o varejo do país, graças aos recordes de geração de empregos, à expansão da renda e ao alongamento dos prazos de financiamentos.

A despeito de o Banco Central ter iniciado o processo de elevação da taxa básica de juros (Selic), a pesquisa da CNC constatou que ainda está “fácil” obter crédito frente a outros meses. Na comparação com abril, cresceu 3,6 pontos percentuais a quantidade de entrevistados que declararam ter encontrado facilidades nos empréstimos. Entre elas, taxas não tão elevadas e menos burocracia. “O consumidor ainda não se incomoda com os juros porque a alta promovida pelo BC não foi tão substancial. O alongamento dos prazos também tem diluído no tempo o custo do crédito e dado a impressão de que o peso é menor no bolso”, explicou o economista-chefe da Confederação, Carlos Thadeu de Freitas Gomes.

Segundo Fábio Gallo Garcia, professor de finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV), o pós-crise trouxe os bancos particulares de volta à competição no mercado de crédito. Em contrapartida, aumentou fortemente o endividamento do brasileiro. “Atualmente, os consumidores têm grande propensão ao consumo de bens duráveis como carros, motos, TVs de tela plana e computadores, que custam mais de R$ 5 mil. Com esse aquecimento, as autoridades monetárias já começaram a lançar mão de instrumentos para segurar o crescimento do consumo”, avaliou. A seu ver, para barrar um pouco a disposição do brasileiro em gastar, o BC terá que aumentar a intensidade do ajuste da política monetária.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais