Brigada garante polícia nas ruas

Contra parcelamento dos salários, sindicatos confirmam paralisação e pedem para que população não saia de casa amanhã

De um lado, sindicatos anunciando uma operação padrão na segurança pública devido ao parcelamento de salários e pedindo para a população não sair de casa amanhã. De outro, o governo do Estado pedindo calma e garantindo policiamento. No entanto, o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Alfeu Freitas, garante que haverá policiamento ostensivo e que o atendimento à população não será prejudicado. “Não podemos deixar que o caos se instaure. Essa é a missão principal da polícia ostensiva. Apesar da série de dificuldades que existem, temos de trabalhar em prol da comunidade”, afirmou o coronel Alfeu. Segundo ele, haverá policiamento na Arena, onde o Grêmio enfrenta o Santa Cruz pelo Brasileirão. 

A paralisação das atividades ou a chamada operação padrão está programada para ocorrer entre 6h e 21h, um total de 15 horas de protesto – justamente o número do partido do governador José Ivo Sartori. No caso da BM, como os militares são proibidos por lei de fazer paralisação, sindicatos da categoria defendem o aquartelamento, ou seja, os policiais só sairão para as ruas com veículos, coletes e armas em situação regular. No caso da Polícia Civil, o sindicato dos servidores incentiva que não sejam realizadas operações policiais, não haja circulação de viaturas nem cumprimento de mandados de busca e apreensão e prisão. Nas delegacias, só casos graves serão registrados, como homicídios, estupros, ocorrências envolvendo crianças, adolescentes e idosos e Lei Maria da Penha.

Ontem à noite, os delegados decidiram aderir ao movimento, deliberando pela suspensão de operações policiais e exigindo a imediata retirada de presos das dependências das delegacias. A paralisação desta quinta pretende chegar a todos os servidores estaduais. Na educação, desde segunda, as aulas na rede estadual têm turnos reduzidos. Ontem, o governo do Estado depositou mais R$ 800 na conta dos servidores. Na sexta-feira, haviam sido pagos R$ 980. Para o pagamento da parcela foram necessários R$ 195 milhões do saldo dos depósitos judiciais e de recursos de empresas públicas e entidades. O Estado precisa de mais R$ 476 milhões para que todos os salários sejam integralizados. 

Tentativa de normalidade

Em nota, o governo orientou a população a manter suas atividades normalmente e espera que sindicatos não estimulem “um clima de pânico”. “O combate à criminalidade não pode ter trégua.” O Sindilojas orienta os comerciantes a abrirem normalmente seus estabelecimentos. A entidade observa que os lojistas devem ficar atentos à movimentação nas proximidades de seus estabelecimentos. Já o SindBancários ajuizou ação para que os bancos não abram.
  

Fonte: Jornal O Metro

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais