Câmara aprova regras para desligar iluminação no comércio durante a noite

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, da Câmara dos Deputados aprovou proposta que regula o desligamento da iluminação no comércio durante a noite e prevê multa entre R$ 500,00 e R$ 5.000,00

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, da Câmara dos Deputados aprovou proposta que regula o desligamento da iluminação no comércio durante a noite e prevê multa entre R$ 500,00 e R$ 5.000,00 (PL 3131/15) para os comerciantes que não desligarem a luz após o fim do expediente. Ela segue agora para o Senado.

O projeto do deputado Givaldo Vieira (PT-ES) altera a Política Nacional de Conservação e Uso Racional de Energia (Lei 10.295/01) e acrescenta a obrigatoriedade à lei.

De acordo com o texto, o desligamento da iluminação dos edifícios à noite se dará da seguinte maneira:

No interior dos estabelecimentos comerciais, ocorrerá em até uma hora após o fim da jornada diária;
Nas fachadas e vitrines de edifícios comerciais, a iluminação deverá ser desligada até 1 hora da manhã ou em até uma hora após o fim do funcionamento diário desses edifícios;
Nas fachadas de tais edifícios, a iluminação não poderá ser acionada antes do anoitecer.

O relator, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), apresentou parecer favorável à proposta. “Bem escrito e atendendo ao previsto na legislação complementar sobre elaboração, redação e alteração das leis, o texto do projeto não merece reparo.”

O projeto já foi aprovado em caráter conclusivo pelas comissões de Desenvolvimento Urbano; e de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço.

Crise hídrica

Givaldo Vieira avalia que a medida combate o desperdício. “Nós estamos tendo não só um desperdício de energia, mas um desperdício de água. Esse projeto de lei visa economizar e evitar um desperdício inútil de energia elétrica que significa desperdício de água, principalmente para anos que vivemos uma crise hídrica sem precedentes.”

O assessor tributário da Federação do Comércio do Distrito Federal, Eduardo Almeida, é crítico ao projeto. “isso se aplicaria muito bem para o Poder Público. Para a iniciativa privada, é mais um excesso de regulação e mais uma lei para se tornar inócua.”

Segundo o texto, a regulamentação do assunto poderá prever situações excepcionais de dispensa do desligamento, como feriados ou eventos culturais específicos e ainda em locais turísticos.

Fonte: Ecommerce Brasil

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais