Cigarros e CDs/DVDs lideram a lista de mercadorias mais apreendidas em 2011

SÃO PAULO – Cigarros, CDs e DVDs lideram a lista de mercadorias mais apreendidas em 2011, de acordo com o Relatório Brasil Original, elaborado pelo CNCP (Conselho Nacional de Combate à Pirataria), do…

SÃO PAULO – Cigarros, CDs e DVDs lideram a lista de mercadorias mais apreendidas em 2011, de acordo com o Relatório Brasil Original, elaborado pelo CNCP (Conselho Nacional de Combate à Pirataria), do Ministério da Justiça, e divulgado nesta sexta-feira (2). Foram 4,52 milhões de pacotes de cigarros apreendidos este ano, frente aos 3,42 milhões apreendidos no ano passado. No caso dos CDs e DVDs, foram 3,77 milhões de unidades apreendidas em 2011.

Combustíveis, informática e bebidas

A Polícia Federal Rodoviária ainda apreendeu 200 mil litros de combustíveis, frente aos 98 mil no ano passado. Os equipamentos de informática apreendidos também aumentaram entre 2010 e 2011, passando de 98 mil unidades para 195 mil. No caso das bebidas, foram 136 mil litros só este ano, contra 106 mil do ano passado. Os dados de 2011 levam em consideração as apreensões realizadas até o mês de novembro. Para a secretária-executiva do CNCP, Ana Lúcia Medina, a explicação para o crescimento das apreensões está no aumento das ações repressivas nas áreas mais sensíveis, como fronteiras, portos e aeroportos.

CDs e DVS

Apesar de os CDs e DVDs liderarem a lista de apreensões em 2011, houve uma queda nas apreensões entre 2011 e 2010. Conforme já mencionado, até novembro deste ano, foram 3,77 milhões de unidades. No ano passado, o número chegou a 5,79 milhões.

As apreensões de eletrônicos também registraram queda, passando de 393 mil para 285 mil unidades. Ana Lúcia acredita que a queda das apreensões de CDs/DVDs está relacionada com a expansão do uso da internet, com as pessoas baixando cada vez mais arquivos. No caso dos eletrônicos, o aumento no número de viagens para o exterior pode ser uma explicação.

Fim da pirataria: R$ 30 bi a mais em arrecadação
A arrecadação tributária brasileira poderia aumentar em R$ 30 bilhões por ano, caso o País conseguisse acabar com a pirataria e com a circulação de produtos contrabandeados. Foi o que concluiu o secretário executivo do Ministério da Justiça, Luiz Barreto, ao apresentar os dados das apreensões brasileiras. Além de aumentar a arrecadação, o fim da pirataria poderia contribuir com a geração de 2 milhões de empregos formais. De acordo com a Agência Brasil, Barreto afirma existir um custo social muito alto por trás da pirataria. Por conta disso é que se torna necessário lutar pelo fim do consumo de produtos piratas, explica Barreto, ressaltando que esse tipo de comércio ainda estimula a circulação de armas e drogas no País.

Crime organizado

Barreto defende a ideia de que a compra de um produto pirata contribui para que mais armas e drogas cheguem às ruas. Este ano, porém, será possível observar um grande avanço no que diz respeito ao controle do contrabando e da pirataria, já que o número de produtos apreendidos deve crescer 30% em relação ao observado no ano passado. O governo atribui esse crescimento ao esforço das operações de fiscalização, sobretudo nas fronteiras, como o programa operação-fronteira.

Veja também

    Noticias

    Sindilojas Porto Alegre tem reunião com o prefeito Sebastião Melo

    Veja mais
    Noticias

    Sindilojas POA acompanha lançamento de agenda legislativa na Fecomércio RS

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    FBV 2024 – o próximo passo está aqui

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 06/04 a 12/04

    Veja mais