Classe C amplia comercialização de perfume e vestuário na internet

A popularização da banda larga entre as classes C e D deverá alavancar as vendas nas lojas virtuais do País – principalmente nas categorias de perfumaria, beleza, vestuário, casa e decoração. Para o…

A popularização da banda larga entre as classes C e D deverá alavancar as vendas nas lojas virtuais do País – principalmente nas categorias de perfumaria, beleza, vestuário, casa e decoração. Para o principal executivo do site de vendas Mercado Livre, Stelleo Tolda, os itens ligados à tecnologia ainda são os mais buscados pelos internautas, mas este cenário tende a mudar.

No balanço dos dez produtos mais vendidos no ano passado, alguns indicativos começaram a aparecer. As roupas masculinas apareceram na 7ª posição entre os produtos mais vendidos, sendo que há um ano, a categoria ocupava a 10ª colocação. Já os perfumes e fragrâncias, que não figuravam na lista passada, apareceram na última colocação.

“”Os itens relacionados a bem estar estão ganhando a preferência desses consumidores. As empresas que atuam no setor deverão estar atentas””, afirma Tolda. Além disso, o crescimento nas vendas de CDs, DVDs e livros, de tíquete médio baixo, indica também que novos consumidores estão comprando pela web.

Dados do IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau Brasil), apontam que no ano passado, ao menos 45% das famílias brasileiras de classe C tinham acesso à internet em suas residências. A entidade estima que esse índice é de 80% dos usuários das classes A e B e 25% nas classes D e E.

As iniciativas de popularização da banda larga no País deverão contribuir para que o Brasil atinja cerca de 15 milhões de conexões rápidas até o fim deste ano.

RANKING – Levantamento do Mercado Livre aponta que os smartphones foram os produtos mais comercializados no site em 2009, mantendo a colocação do ano anterior. Os aparelhos celulares e itens de telefonia foram responsáveis por 20% da venda anual. Em seguida, aparece informática, respondendo por 15%, e em terceiro, os acessórios para veículos, com 9%.

O tíquete médio atingiu US$ 100 em 2009, valor menor que as demais operações no mercado, pois são vendidos tanto itens novos como usados. O Mercado Livre tem 40 milhões de usuários na América Latina, sendo metade deles no País, que soma 60 milhões de internautas.

Para este ano, a empresa, que tem ações negociadas na Nasdaq, acredita que o e-commerce crescerá 30%. O balanço do ano passado ainda não foi concretizado pela consultoria e-bit, mas estima-se que o setor movimentou R$ 10,5 bilhões.

Mesbla e Renner terão lojas virtuais

A Mesbla, ícone do varejo brasileiro até o fim dos anos 1990 junto com o Mappin – ambos comandados pelo empresário Ricardo Mansur – arquiteta sua volta para o mercado em abril deste ano com operação no e-commerce.

Uma empresa chamada TeleMercantil comprou o direito de utilização da marca de Mansur por 20 anos, destinando ao empresário uma fatia do faturamento do negócio. O público feminino das classes A e B será o principal alvo da nova loja virtual, que até o fim de 2009 recebia o contato de pelo menos 80 fornecedores interessados em colocar seus produtos à venda nas páginas da Mesbla.

De acordo com Giuliano Pereira, diretor comercial da J3P, agência de publicidade que desenvolve o conceito do site, mais de 70 mil mulheres, inclusive do Grande ABC, foram convidadas para testar os serviços na loja.

A versão pontocom da Mesbla comercializará cosméticos, sapatos, bolsas, roupas e itens de tecnologia e eletroportáteis voltados para mulheres, distribuídos em 20 categorias. “”Para a volta, a marca poderá utilizar alguns slogans saudosistas””, diz Pereira. Ele endossa que no País, não existem muitas lojas virtuais dedicadas ao público feminino. Por isso, é grande a expectativa.

CONCORRÊNCIA – A gaúcha Lojas Renner também prepara para este ano o lançamento de seu portal para vender perfumes importados e relógios. O principal objetivo da rede comandada por José Galló será concorrer com a líder no segmento on-line, a Sack””””s. No ano passado, o executivo declarou que a loja virtual será lançada neste ano.

Por enquanto, a rede realiza testes, mas não tem previsão de quando a operação começará a funcionar. Nas mais de 100 lojas físicas pelo País, a Renner vende mais de 20 marcas de perfumes importados, parceláveis em cinco vezes sem juros, enquanto a Sack””””s divide as compras em até 12 vezes sem acréscimo de juros.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais