Clientes ocultos ganham dinheiro para avaliar produtos e serviços

Função tem crescido entre empresas cada vez mais preocupadas com a qualidade, que tentam evitar possíveis processos e atrair consumidores

Na tradicional muvuca antes de embarcar no avião, uma figura discreta anotava o linguajar, os gestos e a postura do atendente da companhia aérea. Passando-se por ingênuo, dizia não encontrar a carteira de identidade – um teste para ver se o funcionário o deixaria embarcar mesmo assim. Dentro da aeronave, sentou ao fundo, de onde usava um celular para filmar o trabalho dos comissários, inclusive o jogo de cintura para lidar com imprevistos, como alguém que embarcou com uma bagagem maior do que o permitido e não encontra lugar para acomodá-la. Esse não é um passageiro comum.

A coleta de dados é essencial para esse personagem. Quando chegar na frente de um computador, o elemento misterioso irá disparar um relatório detalhando o que viu diretamente a quem o contratou: uma companhia de clientes ocultos, chamada por empresas que querem aumentar as vendas ou saber como está o atendimento nas lojas, por exemplo.

– Passei um ano viajando por uma companhia aérea, fazendo relatórios e mais relatórios. Cheguei a voar três vezes em uma semana, sempre nos horários mais tumultuados. Não tenho dúvida de que ajudei a empresa a melhorar seu atendimento, e prestei um serviço a todos os seus clientes – diz João Zuchetto, 46 anos, que tem na advocacia o ganha-pão principal e nas atividades como cliente oculto algo entre um hobby e uma fonte de renda extra.

Mercado em expansão

A empresa na qual João é cadastrado garante ter cerca de 80 mil espiões espalhados pelo país. Eles não sabem quem são – a convocação chega pela internet e os relatórios são entregues a avaliadores que provavelmente jamais serão vistos pessoalmente. O único colega de trabalho que João conhece é a própria mulher: ambos são clientes secretos em Porto Alegre há quatro anos.

– O que nos move é o desejo de melhorar os serviços no Brasil. Sabemos que há muito, mas muito trabalho pela frente – diz a mulher de João, Nair de Cassia Zuchetto, que tem entre suas maiores aventuras uma simulação de mal-estar para testar a emergência de um shopping e a abertura de um plano de previdência para verificar o atendimento do banco.

O serviço de cliente oculto não é exatamente novo, mas tem crescido à medida que empresas tentam se blindar de processos e acirram a briga por consumidores cada vez mais criteriosos sobre onde gastar o dinheiro. As quatro principais empresas que atuam no ramo anunciam que têm, somadas, cerca de 200 mil clientes ocultos cadastrados. Uma das maiores prestadoras deste serviço no país, a Shopper Experience, tem visto os negócios avançarem 27% ao ano.

– Nossos clientes são empresas das mais diferentes áreas, de supermercados a bancos, passando por lojas de roupa, cinemas e tantas outras – diz a CEO da empresa, Stella Kochen Susskind.

O cliente oculto atua principalmente no segmento de serviços, em que a avaliação é mais subjetiva. Os relatórios não têm espaço para certo ou errado. São um compilado de impressões quanto a atendimento, organização de vitrine, limpeza da loja, conhecimento do atendente sobre o produto e o que mais chamar a atenção do atento consumidor.

– Temos muitos clientes e avaliadores no Rio Grande do Sul, onde há particularmente uma preocupação grande com a qualidade de serviços oferecidos – afirma Stella, sem citar números.

Teste antes de sair da fábrica

A participação de consumidores para melhorar a qualidade não ocorre só depois que produtos e serviços já estão sendo oferecidos – pode começar bem antes do lançamento. Empresas especializadas em pesquisa de mercado têm desenvolvido técnicas avançadas para conhecer a opinião de clientes antes que as mercadorias cheguem às prateleiras.

– Observamos não só o que os consumidores dizem, mas todo o seu comportamento enquanto interagem com o produto – descreve a empresária Raquel Siqueira, dona de uma empresa de testes.

Seguindo uma tendência do marketing de países desenvolvidos, Raquel usa a psicologia para avaliar a reação dos avaliadores enquanto mexem em um novo equipamento eletrônico, os comentários que fazem enquanto se olham no espelho com alguma roupa e as expressões ao provar uma nova marca de biscoito.

– Assim, eliminamos os filtros sociais e do politicamente correto que podem inibir algum comentário – explica Raquel.

Nem sempre esse teste é presencial. Nos últimos anos, têm surgido no Brasil empresas que prometem fazer o meio campo entre indústria e consumidores para enviar produtos para teste. O candidato se inscreve e aguarda até ser escolhido. O serviço é obscuro: há poucas credenciais dessas companhias, e as maiores são multinacionais. Quem se candidata pode se tornar um testador frequente ou jamais ser chamado sem entender o motivo.

– Há mistério no processo porque há contrato de confidencialidade para preservar os lançamentos – explica Genaro Gali, professor de Marketing da ESPM-Sul.

Sem telefone ou endereço nos sites, essas empresas evitam se expor. ZH tentou contato com duas das mais conhecidas – Clube dos Testadores e Toluna –, mas não obteve retorno. O ar de suspense cerca os próprios testadores, que usam redes sociais para questionar o motivo pelo qual não são chamados e cobrar pagamentos prometidos. No site Reclame Aqui, ambas são alvo de críticas, e houve apenas uma resposta para 20 reclamações. Consumidores interessados em testar podem atalhar intermediários e se cadastrar diretamente nos sites das indústrias.

Quer ser um avaliador?

* Inscreva-se nos sites de empresas que fazem avaliação de produtos e serviços com cliente secreto.
* O candidato participa de treinamento pela internet para aprender como fazer a avaliação e preparar um relatório completo.
* O perfil desejado é variado, pois há serviços com diferentes tipos de empresas.
* O cachê pode ser simbólico ou realmente atraente, com casos de até R$ 500. Se precisar comprar ou consumir um produto para fazer a avaliação, o cliente oculto é reembolsado.
* Um avaliador bem requisitado pode chegar a fazer de seis a oito visitas a empresas por mês.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais