Comércio ilegal: número de apreensões cai em 2011

Fiscais recolheram 131,6 mil produtos

A quantidade de produtos apreendidos pelas equipes de Fiscalização Localizada e Ambulante da Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio (Smic) apresentou significativa redução em 2011, comparada com os indicativos do ano anterior. O resultado é creditado às intensivas ações fiscais e à maior repressão ao comércio de produtos de origem ilegal.

Os dados são do Setor de Controle de Mercadorias Apreendidas (SCMA). Até novembro, os fiscais registraram cerca de 2,8 mil autos de apreensão e recolheram 131,6 mil produtos. Em 2010, foram emitidos pouco mais de 6 mil autos, com 295,6 mil mercadorias apreendidas.

CDs e DVDs falsificados lideram a lista de itens retirados de circulação pela Smic. No total, somam 243 mil discos – 78 mil só este ano. O número de chips para celular recolhidos teve um incremento de quase 1500% – 1184 unidades. Também cresceu a apreensão de tênis (1,4 mil pares) e de aparelhos de telefonia móvel (450). Óculos de sol e de grau, carteiras de cigarro, cerveja em lata e relógios de pulso também fazem parte da lista.

No entanto, os indicadores já são maiores que em 2009, quando foram recolhidas 120 mil unidades. Para o titular da Smic, Valter Nagelstein, “”os números demonstram o empenho das equipes de fiscalização no combate ao comércio de produtos pirata””. Conforme o secretário, a estatística permite avaliar positivamente o trabalho da secretaria. “”Temos que valorizar quem trabalha dentro da formalidade, pois a pirataria fomenta uma cadeia criminosa e nociva para a sociedade””, completa.

Veja também

    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 24/02 A 01/03

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Em busca do melhor ponto comercial

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Lajeado recebe a FBV Talks para debater o futuro do presente no varejo

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Café com Lojistas apresenta o significado do varejo e dicas do que está em alta ...

    Veja mais