Conexão Varejo: “Luxo deve ser nobre, não esnobe”, defende Oskar Metsavaht

Responsável pela fundação e pela direção criativa da Osklen, Oskar comandou uma das mais prestigiadas palestras do Congresso Brasileiro do Varejo, durante a 7ª FBV, e concedeu entrevista exclusiva para a revista do Sindilojas Porto Alegre.

Responsável pela fundação e pela direção criativa da Osklen, Oskar Metsavaht comandou uma das mais prestigiadas palestras do Congresso Brasileiro do Varejo, que ocorreu na 7ª FBV. Com destaque para a pegada sustentável, o empresário contou a história da marca, que completou 20 anos em 2018. Confira abaixo a entrevista exclusiva para a revista do Sindilojas Porto Alegre:

O que motivou a criação da Osklen e por que a sustentabilidade passou a ser um pilar da marca?

Sou médico de formação e sempre gostei de atividades de aventura. Numa dessas ocasiões, tive dificuldade em encontrar a roupa ideal para ambientes muito frios, e resolvi desenvolver. Isso deu origem à ideia da Osklen, que sempre levou em conta a origem das matérias-primas. O incentivo à cadeia de produção do algodão orgânico no País, ainda em 1998, por exemplo, foi um dos nossos primeiros estímulos.

Que iniciativas sustentáveis a marca desenvolve em favor do planeta?

São várias, como o uso da pele de pirarucu, que antes era descartado, em vez do couro bovino, gerando renda a famílias ribeirinhas; do algodão reciclado de resíduos da indústria têxtil; do poliéster eco PET, produzido a partir de garrafas PET recolhidas da natureza; da seda orgânica com casulos rejeitados pela indústria e dos solados feitos com aparas de borracha, resíduos de cortiça e casca de arroz.

Como você explica o conceito de novo luxo, da qual a Osklen faz parte?

O novo luxo representa um estilo de vida compatível com valores de sustentabilidade, unindo ética com estética e respeitando critérios de comércio justo e desenvolvimento sustentável. Na Osklen, buscamos valorizar a matéria-prima de forma que o design interfira o menos possível. Também buscamos agregar valor à produção das comunidades locais. Creio que dedicação cria sofisticação, e sofisticação cria luxo, que deve se nobre, não esnobe. A moda tem que estar a serviço das grandes causas.

Como você avalia que o mercado brasileiro está respondendo à demanda por sustentabilidade dos consumidores?

Falar em sustentabilidade é uma tendência, mas ainda há muito marketing e pouca ação. Nós somos resultado de 200 anos de revolução industrial, então não é de uma hora para outra que essa compreensão vai mudar. Mas hoje o varejo está fazendo muito menos do que a indústria, só que os novos valores da sociedade estão mudando a forma de consumir. É um desafio, mas uma oportunidade de reinventarmos o varejo, pois é um dever nosso como sociedade apoiar e promover produtos de desenvolvimento sustentável.

Qual é o caminho para o pequeno varejo quando falamos em crescimento sustentável?

O lojista é um curador de coisas boas para o cliente e a confiança é peça-chave nessa relação. Por isso, é obrigação da loja ter uma boa seleção de fornecedores com responsabilidades ética e ambiental. E tudo começa por considerar critérios de originalidade, qualidade e sustentabilidade. O varejo tem a obrigação de priorizar produtos e serviços que sejam benéficos para sociedade. Temos que nos orgulhar do que oferecemos nas nossas lojas.

Leia a edição completa da revista Conexão Varejo clicando aqui.

Veja também

    Noticias

    Sindilojas Poa prestigia solenidade de passagem de comando em Batalhão da PM

    Veja mais
    Noticias

    MPRS lança plataforma para facilitar a inserção de jovens no mercado de trabalho

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades desta semana para as obras no Centro da capital

    Veja mais
    Noticias

    Cultura organizacional é foco do debate no Varejo Movimento

    Veja mais