Conheça os 4 pilares da Gestão Empresarial

Muitos empresários pecam em não contar com um bom planejamento, equipe técnica qualificada e ferramentas de gestão e controle para dar suporte às decisões

 Gestão Empresarial é um fator determinante para o sucesso ou fracasso de uma organização. Ter conhecimento de todas as peças que compõem a engrenagem de uma empresa é tarefa primordial para qualquer gestor.

Muitos empresários pecam em não contar com um bom planejamento, equipe técnica qualificada e ferramentas de gestão e controle para dar suporte às decisões. Porém, sabemos que gerenciar uma organização não é algo simples para a maioria das pessoas.

Conheça então os 4 pilares da Gestão Empresarial: Gestão Financeira, Gestão de Indicadores, Controle da Contabilidade e Lucratividade. Nele, você encontrará as melhores práticas utilizadas no mundo dos negócios. Acompanhe!

 

1. Gestão Financeira

A falta de uma gestão financeira bem estruturada representa um dos fatores que mais contribuem para o insucesso das pequenas e médias empresas, levando muitas delas à falência em períodos curtos de tempo. Ao contrário, uma gestão financeira eficiente tem o poder de alavancar os resultados e garantir que a empresa possa crescer de forma sustentável ao preparar o terreno para que isso aconteça com tranquilidade.

Uma gestão financeira bem estruturada pode garantir o aumento do patrimônio da empresa, uma vez que gere lucro líquido com uma taxa satisfatória para o tipo do negócio. Mas não é só isso. Algumas funções que fazem parte da gestão financeira proporcionam um bom desenvolvimento econômico para sua empresa:

Planejamento e análise das finanças: o monitoramento de resultados ajudará na geração de relatórios que permitirão uma análise detalhada das finanças para projetar resultados futuros e planejar ações com foco em melhorias;

Otimização dos recursos financeiros: identificar e analisar as oportunidades de captação de recursos financeiros existentes para diversificar as fontes e utilizá-las com consciência e planejamento;

Equilíbrio entre o crédito e cobrança: garantir o recebimento dos créditos concedidos, bem como analisar profundamente as opções e necessidades para uma eventual concessão de crédito;

Maior controle de caixa: registrar e controlar tudo o que entra e sai do caixa da empresa para manter o saldo sempre positivo;

Eficiência no controle de contas a receber e contas a pagar: garantir que receberá pelas vendas realizadas a prazo para poder programar o pagamento das compras que a empresa fizer a prazo e outras que vencerão no futuro.

Cerca de 90% das tarefas realizadas na gestão financeira são realizadas de forma manual, comprometendo um tempo crucial que o gestor poderia investir no planejamento estratégico. A dica aqui é reservar as tarefas mais importantes, como autorizações de emissão de notas fiscais, conciliação bancária e geração de boletos, e direcionar todas as outras para um software de gestão financeira realizar por você.

O sistema ERPFlex, por exemplo, foi desenvolvido para simplificar as operações das empresas e automatizar suas rotinas, liberando tempo para o gestor dedicar ao que realmente importa. Uma ferramenta de gestão financeira online possibilita que o empresário faça o gerenciamento de qualquer lugar e a qualquer momento, dispondo de tempo para focar no crescimento e evolução do negócio.

Outra vantagem de utilizar um software de gestão financeira online é a credibilidade dos dados e a geração de relatórios com informações precisas. Com processos que garantem a entrada e registro correto dos dados, os relatórios possuem informações confiáveis e permitem que você decida com muito mais segurança às próximas ações do negócio.

2. Gestão de Indicadores

Os Indicadores de Desempenho têm papel de protagonismo na gestão empresarial. Eles fornecem dados organizados e estruturados, e são fundamentais no embasamento das tomadas de decisões necessárias em uma empresa.

Se sua organização está buscando excelência na Gestão Empresarial, certamente o trabalho de confecção e acompanhamento de Indicadores de Desempenho faz ou fará parte de sua caminhada rumo a uma gestão “best-in-class”.

E engana-se quem acredita que a gestão de indicadores seja algo apenas para grandes empresas, ou mesmo quem pensa que essa é uma fase mais avançada na gestão. Muito pelo contrário! Os KPIs (Key Perfomance Indicator, ou indicador chave de desempenho) devem ser considerados desde o primeiro momento em que você começa a pensar a estruturar a Modelagem Financeira e Orçamentária de sua empresa.

De maneira bem sintética, podemos afirmar que um Indicador é um valor quantitativo que possibilita à empresa medir o que está sendo executado e gerenciar de forma adequada para o atingimento das metas organizacionais ou departamentais planejadas.

Como o próprio nome nos induz a concluir, um indicador é uma métrica que indica algo útil, relevante, e que ajuda na tomada de decisões. E este é um ponto importante: um Indicador Chave precisa ser útil para ajudar a entender se a empresa está caminhando no sentido de atingir um objetivo maior. Do contrário, são apenas estatísticas e métricas.

É preciso muita atenção na hora de escolher quais indicadores utilizar em sua empresa. Indicadores mal definidos podem gerar decisões equivocadas. Busque sempre criar Indicadores Inteligentes, que reflitam a estratégia e a realidade da organização.

3. Controle da Contabilidade

A relevância das PME’s no cenário empresarial brasileiro é enorme. Uma parcela considerável da receita e dos empregos gerados no país passam pelas transações conduzidas pelos pequenos e médios empreendedores, que precisam focar no núcleo de suas atividades para garantir a saúde de seus negócios. Porém, o cenário disputado do mercado nacional vem elevando o nível dessa missão continuamente, colocando o gestor contra a parede ao lidar com demandas administrativas complexas e questões financeiras do dia a dia da empresa, como controle de custos, gerenciamento de estoques e quitação de despesas enquanto aguarda recebimentos combinados a prazo.

A contabilidade é uma arma efetiva contra os obstáculos diários de suas atividades, pois estamos falando de uma ciência que possui recursos para ajudá-lo em temas como controle de gastos, fluxo de caixa e tomada de decisões. No entanto, o acesso a essas informações, por vezes, não é tão facilitado em sua rotina, seja pela dificuldade de comunicação com o contador ou pela carga de responsabilidades que impedem estudos mais aprofundados.

É importante que você esteja em sintonia com seu contador e questione as informações geradas por esse profissional. Se você terceirizou essa atividade, verifique os recursos que o escritório utiliza para elaborar os dados e transmitir as obrigações fiscais. Procure saber em qual regime tributário está a sua empresa, porque essa decisão foi tomada e se existe uma opção mais vantajosa no momento.

Agende reuniões para debater as demonstrações contábeis, pois, por meio de uma análise mais minuciosa, esses documentos podem gerar informações valiosas para a gestão do negócio. A contabilidade e a gestão devem andar de mãos dadas, pois ambas trocam informações relevantes para a tomada de decisão. Considere o uso de softwares automatizados para maximizar os resultados obtidos por cada um e levar sua empresa ao topo do mercado.

4. Lucratividade

Para avançar na gestão da sua empresa de forma sustentável, visando reduzir custos e ampliar as vendas é preciso investir em formas de aumentar a lucratividade. Independentemente do cenário de um país, melhorar a performance da empresa e aumentar a produtividade é sempre um objetivo.

Existem três formas de ampliar a lucratividade da sua empresa:

Mude a cultura: O primeiro passo é empreender uma mudança de cultura da empresa. Somente ao mudar o que existe de mais profundo em seu negócio que você conseguirá aumentar os lucros de maneira estruturada.

Reduza custos: A equação é simples: o lucro corresponde ao quanto você vende (menos) o quanto você gasta. Assim, se você diminui o quanto gasta e mantém o faturamento, o resultado é mais lucro.

Aumente as vendas: Se uma das formas de aumentar os lucros é reduzir os custos, a outra é aumentar diretamente as vendas. Ao agir de maneira a aumentar o faturamento, e com menos custos envolvidos por venda, maior será o lucro alcançado no final.

 

Conclusão

Contar com uma Gestão Empresarial eficiente é o caminho certo para o sucesso do seu negócio. Isso se deve principalmente ao aproveitamento de oportunidades e à visão de longo prazo. Tudo o que você aprendeu até aqui só terá validade se começar a agir – caso contrário, não passará de uma teoria. Por isso, comece hoje mesmo o seu plano de ação e invista na profissionalização de sua Gestão Empresarial!

Fonte: Administradores

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais