Cuidado com as notas falsas

Atenção ao dinheiro que você tem no bolso: ele pode ser falso. Em épocas de grande liquidações de produtos que não foram vendidos no período natalino, transações fraudulentas costumam ser ainda…

Atenção ao dinheiro que você tem no bolso: ele pode ser falso. Em épocas de grande liquidações de produtos que não foram vendidos no período natalino, transações fraudulentas costumam ser ainda maiores. Por isso, fique alerta: neste fim de semana de saldões e queima de estoques e mostruários, mantenha os olhos abertos para os bons preços e descontos, mas não deixe de lado o cuidado com o que você carrega na carteira.

Segundo balanço parcial do Banco Central (BC), em 2009 foram recolhidas pelo menos 409 mil cédulas falsificadas. Dessas, mais de 43 mil foram no estado do Rio de Janeiro. A maior parte das falsificações é de notas de R$ 50 — cerca de 56%. Em segundo lugar, vem a de R$ 100, com 18%. Mais de 50% das cédulas falsas foram apreendidas nos estados da Região Sudeste. O órgão afirma que, apesar dos altos índices, houve uma queda nos registros de fraudes em relação a 2008, quando foram recolhidas 528 mil notas no País e 54 mil no estado. Segundo o BC, o motivo seria a campanha Dinheiro de Verdade, adotada pela instituição em outubro de 2009, que ensina a população a identificar a autenticidade das cédulas. “Em 2007, um cliente pagou o estacionamento com uma nota falsa de R$ 50. Quando percebemos, ele já tinha ido embora e então ficamos no prejuízo. Mas este foi um caso isolado. Sempre verificamos as cédulas, é um procedimento comum. Se nos passam nota falsa, não há ninguém para nos indenizar”, conta o presidente da Saara, Ênio Bittencourt. E não há mesmo. Quem recebe falsificações não tem a quem recorrer, pois não existe lei que obrigue os bancos a trocarem cédulas falsas por verdadeiras — nem mesmo quando elas originam de saques em caixas eletrônicos. Segundo o BC, só há ressarcimento se as cédulas forem sacadas no guichê da agência bancária.

Nem mesmo o Banco Central é capaz de resolver o problema. O órgão apenas examina se elas são verdadeiras ou não. Ou seja: o prejuízo é de quem recebeu o dinheiro falso. Também não adianta tentar dar uma de esperto. Pessoas que pretendem passar adiante uma nota falsa podem pegar até dois anos de cadeia, mesmo quando não sabem que o dinheiro não é verdadeiro. Por isso, conhecer a cédula brasileira ainda é a forma mais segura de evitar ser passado para trás e ter prejuízos no orçamento.

Veja também

    Noticias

    O público 60+ consome e precisa ser melhor atendido

    Veja mais
    Noticias

    O Sindilojas Porto Alegre é finalista do Top de Mkt ADVB/RS 2024

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades desta semana para as obras no Centro da capital

    Veja mais
    PesquisaNoticias

    Vendas de eletrodomésticos típicos de frio estão em alta

    Veja mais