De micro empreendedor individual para micro empreendedor, veja o passo a passo

Primeiramente é necessário saber que uma MEI, de forma geral, não pode conter uma receita com valor superior à R$ 60 mil; veja outros detalhes

No ano de 2008 o governo criou o programa Micro Empreendedor Individual ( MEI ) para facilitar a legalização de milhares de trabalhadores e seus respectivos negócios, e também auxiliar no recolhimento de tributos.

Entre os benefícios garantidos pelo programa para o empreendedor estão a aposentadoria, a participação em licitações e compras diretas de fornecedores. Mas e se o negócio evoluir, o que o MEI deve fazer para se transformar em Micro Empreendedor (ME)?

Primeiramente é necessário saber que uma MEI, de forma geral, não pode conter uma receita com valor superior à R$ 60 mil, e que o responsável não pode ser sócio em outro negócio. Além disso, uma micro empresa individual pode ter apenas um funcionário registrado em seu domínio com o piso da categoria ou com um salário mínimo e o direito de registrar o endereço domiciliar.

Já uma Micro Empresa (ME) pode ser tanto uma sociedade simples, formada pela união de empresários, assim como um negócio individual, com a participação de apenas uma pessoa ou individual de responsabilidade limitada, as EIRELI’s. A receita anual deve ser no máximo de R$ 360 mil, a ME também não pode ser representação, filial ou agência de pessoa jurídica no exterior e os empreendedores não podem ter participação com mais de 10% na sociedade de outro negócio que não é enquadrado como ME.

Muitas vezes antes dessa transição o empreendedor pode pensar em represar o crescimento ou voltar para a clandestinidade, mas que a regularização, é a melhor escolha. Veja em quatro passos como passar de MEI para ME.

Passo 1

Folgueral aponta que a primeira coisa a fazer é recolher o DAS/MEI até dezembro do mesmo ano e mais um DAS complementar, que é correspondente ao valor que ultrapassar o teto estabelecido, se for o caso. Segundo o especialista, esse valor será determinado de acordo com o faturamento apurado pela empresa.

1.1   Vale ressaltar que valores entre R$ 60 mil e R$ 72 mil devem ter os pagamentos feitos até janeiro do ano seguinte, mesmo prazo dos tributos do Supersimples. Folgueral alerta que os valores do DAS são recolhidos com taxas variáveis de 4% e 6%, dependendo do faturamento e da atividade.

1.2   Se for acima de R$ 72 mil, os valores retroagem a janeiro do ano anterior, e a alíquota dependerá da receita faturada, que poderá variar entre R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões.

Passo 2

No segundo passo, é necessário entrar com pedido de desenquadramento como MEI, no sítio do Simples Nacional. Deverá ser informado o CNPJ da empresa, o CPF e o título de eleitor do empresário. Sem ressalvas, o negócio será imediatamente retirado do SIMEI, tornando-se optante do Simples Nacional.

O especialista ressalta que se deve pensar muito antes de dar esse passo, uma vez que a atitude é irreversível até o ano seguinte.

Em relação à comunicação sobre a mudança, esta é feita automaticamente, sem qualquer irregularidade perante o Estado.

Passo 3

Já a comunicação à Junta Comercial do Estado de origem da empresa deve ser feito pelo empreendedor, da seguinte forma:

3.1   Na seção de Consulta de Optantes, no sítio do Simples Nacional, a comunicação de desenquadramento do Simei deve ser emitida.

3.2   Roberto Folgueral alerta que o modelo de Formulário de Desenquadramento varia de estado para estado.

3.3   Além disso, o empreendedor deve requerir o desenquadramento da empresa ao presidente da Junta Comercial do Estado.

Passo 4

“Para finalizar o seu registro como microempresa, falta a adequação dos dados cadastrais perante a Junta Comercial, pois no item anterior, modificou-se apenas a inscrição. Agora é necessário atualizar a Razão Social, ou seja, o nome da empresa e o Capital Social, valor para conseguir girar os negócios da empresa”, diz Folgueral.

Além disso, o contador não deixa de relembrar que a legalização é um passo importante para o micro empreendedor, e tem consequência tanto para o desenvolvimento econômico, quanto para evitar problemas de fiscalização, com possíveis multas. Vale destacar que a legalização também traz mais responsabilidades, o que resulta na necessidade da busca de auxílio de um profissional competente e atualizado.

Fonte: Economia – iG

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais