Desemprego em Porto Alegre é o menor do Brasil em fevereiro, aponta IBGE

Capital gaúcha tem 3,3% de desocupados, taxa 0,5 ponto percentual maior do que em janeiro

Porto Alegre é a capital com menos desempregados do Brasil. Apesar do crescimento de 0,5 ponto percentual, chegando…

Capital gaúcha tem 3,3% de desocupados, taxa 0,5 ponto percentual maior do que em janeiro

Porto Alegre é a capital com menos desempregados do Brasil. Apesar do crescimento de 0,5 ponto percentual, chegando a 3,3%, a taxa de desocupação da capital gaúcha manteve-se na ponta de baixo da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em fevereiro. O percentual é inferior ao registrado em fevereiro do ano passado, quando havia 3,9% de desocupados na cidade.

Pesquisa do Dieese apontou que, em janeiro, Porto Alegre teve a menor taxa de desemprego desde 1992

No conjunto das seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE – além de Porto Alegre, Belo Horizonte, São Paulo, Recife, Rio de Janeiro e Salvador –, a taxa de desocupação foi estimada em 5,1%. É a menor taxa de desocupação do Brasil, desde que a pesquisa começou a ser feita, em 2002. Em relação a janeiro, houve leve aumento de 0,3 ponto percentual. Na comparação com fevereiro do ano passado, houve queda de meio ponto percentual. No total, a estimativa de pessoas desocupadas no País é de 1,2 milhão de pessoas.

Em 2013, a taxa de desemprego na capital gaúcha foi a menor em 20 anos

A média de rendimento do trabalhador brasileiro cresceu em fevereiro. Se em janeiro esse valor era de R$ 2.000,53, cresceu para R$ 2.015,60 em fevereiro. Na região metropolitana de Porto Alegre, esse valor é menor, chegando a 1.969,40 em fevereiro. Os maiores salários na capital gaúcha são de militares e funcionários públicos estatutários (R$ 3.655,60, na média). Os menores vão para empregados de serviços domésticos, que ganham, em média, R$ 925,30 – o valor, no entanto, é 11,3% maior do que a média salarial desses empregados em fevereiro de 2013.

Na capital gaúcha, os setores que mais recebem trabalhadores são a indústria (21,2%), o comércio (18,7%) e a educação, a saúde e a administração pública (que, juntos, abrangem 18,3% dos empregados). Grande parte desses trabalhadores (52,3%) são empregados com carteira assinada do setor privado. Autônomos representam 16,2% e ocupam a segunda colocação. No Brasil, o comércio lidera a lista, com 18,6% dos trabalhadores.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais