Desemprego no país recua em junho

A taxa de desemprego em junho nas seis principais regiões metropolitanas recuou ao menor patamar desde janeiro, para 6,2%. O resultado é a menor marca para os meses de junho na série histórica do IBGE,…

A taxa de desemprego em junho nas seis principais regiões metropolitanas recuou ao menor patamar desde janeiro, para 6,2%. O resultado é a menor marca para os meses de junho na série histórica do IBGE, iniciada em 2002.

Na Grande Porto Alegre, a taxa ficou em 4,8%. Embora tenha recuado em relação a maio, está acima do registrado em igual período de 2010, quando atingiu 4,7%.

O primeiro semestre deste ano teve o melhor resultado desde o início da Pesquisa Mensal de Emprego, iniciada em março de 2002. De janeiro a junho, o nível de ocupação da população atingiu 53,5%. Já a taxa média de desemprego ficou em 6,3% no período. Em 2010, atingiu 6,7%.

Segundo o economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) Sérgio Mendonça, a criação de postos de trabalho e a redução do desemprego não são mais os maiores desafios. Para Mendonça, o país precisa, agora, dar prioridade a melhorias na qualidade dos empregos já existentes e nos salários pagos.

Lupi tem proposta de regime tributário para domésticas

Segundo Mendonça, é fundamental que o país desenvolva setores econômicos que, tradicionalmente, remuneram bem. Entre esses setores, o economista destaca a indústria, o setor financeiro e o de saúde. Além disso, disse ser preciso que o país invista na formação de trabalhadores para que as vagas de bons salários possam ser preenchidas.

O Ministério do Trabalho informou ontem que o saldo líquido de empregos criados com carteira assinada no país em junho foi de 215.393. No primeiro semestre, o acumulado chega a 1,414 milhão. Na primeira metade de 2010, o saldo de contratações foi de 1,634 milhão de postos. No Estado, foram 6.287 postos, e na Grande Porto Alegre, 5.645.

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, informou que vai levar para avaliação do Ministério da Previdência, em agosto, e no mês seguinte, para análise do Ministério da Fazenda proposta de criação de um regime tributário simplificado (Simples) para as domésticas nos mesmos moldes do Simples Nacional.

Veja também

    PesquisaNoticias

    Na comparação com o Dia dos Namorados de 2023, 17% dos lojistas dizem ter vendid...

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra no Centro da capital

    Veja mais
    Decretos e regrasNoticias

    Créditos do BNDES: empresário, você tem acesso a este recurso

    Veja mais
    PesquisaNoticias

    Sondagem do Sindilojas POA prevê Dia dos Namorados tímido para o comércio na ca...

    Veja mais