Desencalha hidrovia Capital-Guaíba

Antiga reivindicação de moradores da Grande Porto Alegre, o transporte hidroviário de passageiros entre a Capital e o município de Guaíba está prestes a desencalhar. Após décadas de tentativas…

Antiga reivindicação de moradores da Grande Porto Alegre, o transporte hidroviário de passageiros entre a Capital e o município de Guaíba está prestes a desencalhar. Após décadas de tentativas frustradas, a assinatura do contrato de concessão entre a empresa vencedora da licitação e o governo do Estado está prevista para segunda-feira, a bordo de uma das embarcações.

Ontem à tarde, o barco que receberá a governadora Yeda Crusius passava por retoques. Do tipo catamarã, com casco duplo, o veículo tem 18 metros e foi testado no Rio Jacuí. O modelo com capacidade para 120 passageiros oferece poltronas estofadas, TVs de LCD e ambiente climatizado. Os 15 quilômetros do percurso devem durar cerca de 20 minutos.

Com a assinatura do contrato, a Viação Tapajós e a CatSul, criada para operar o sistema, terão até 120 dias para colocar tudo em funcionamento. O prazo inicial de concessão é de 30 anos.

Estão previstas instalações junto ao Cais do Porto, na Capital, e à rodoviária de Guaíba, na zona central da cidade. Cada ponto receberá um píer flutuante. A intenção, segundo o diretor da CatSul, Carlos Augusto Bernaud, é que o transporte por água entre em operação em março ou em abril.

Na fase inicial, serão dois catamarãs em atividade. A expectativa é de que 2 mil pessoas usem o serviço diariamente. As passagens, conforme Bernaud, terão valor máximo de R$ 7. Gerente operacional da Expresso Rio Guaíba, Flavio Piccoli acredita que as pessoas continuarão optando pelo ônibus para pagar menos. Uma viagem na linha comum sai por R$ 3,05.

Bernaud reconhece que será difícil competir, já que o catamarã gasta 10 vezes mais em combustível do que um ônibus, mas afirma que serão criadas tarifas promocionais e bilhetes-integração. A aposta da empresa é de que a população prefira pagar um pouco mais para ganhar tempo: – Pela água, não tem ponte.

Futuro secretário de Infraestrutura e Logística no governo Tarso Genro, o deputado federal Beto Albuquerque considerou uma boa notícia a implementação do transporte aquaviário.Lembrou que no governo Olívio Dutra a licitação não despertou o interesse do empresariado. Segundo ele, se o serviço der certo, poderá ser ampliado: –Podemos ter uma ligação com a zona sul da Capital. Nossa torcida é para que dê certo.

Veja também

    Noticias

    Reunião de Diretoria Ampla debate temas jurídicos relevantes ao comércio

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Feira Brasileira do Varejo (FBV) é lançada oficialmente em Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 19/02 A 23/02

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Tendências mundiais que impactam o varejo local

    Veja mais