Dia das Crianças deve movimentar R$ 58 milhões no comércio da Capital

Pesquisa do Sindilojas Porto Alegre e CDL Porto Alegre foi realizada com 400 pessoas entre os dias 13 e 20 de agosto de 2013 na Capital.

Dia das Crianças deve movimentar R$ 58 milhões no comércio da Capital, de acordo com pesquisa encomendada pelo Sindilojas Porto Alegre e pela CDL Porto Alegre. O levantamento mostra que os consumidores comprarão em média três presentes para cada criança, ficando o ticket médio em R$ 109,00.

Os brinquedos aparecem em primeiro lugar na preferência de 68% dos participantes, enquanto as roupas são a opção preferida por 32% dos entrevistados. A coleta dos dados foi realizada com 400 pessoas, entre os dias 13 e 20 de agosto deste ano.

Para o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Ronaldo Sielichow, realizar pesquisas com consumidores é fundamental para o lojista traçar estratégias nas datas comemorativas. “Notamos que o Dia das Crianças vem crescendo em importância e participação no faturamento do comércio, com consumidores dispostos a presentear as crianças com mais de um presente. É uma oportunidade para o lojista incrementar as opções que vai oferecer ao seu cliente”, avalia.

“Cerca de metade dos presentes (42,4%) devem ser comprados no início de outubro. Uma oportunidade para os lojistas começarem bem o mês”, afirma Gustavo Schifino, presidente da CDL Porto Alegre. A pesquisa mostrou também que, entre as atividades de lazer praticadas fora de casa, a gurizada têm preferência por estar em praças e parques. “”””Foi bom perceber que muitas crianças estão praticando atividades de rua como skate e bicicleta. Acreditamos que isso constrói um mundo melhor e por isso apoiamos a instalação de mais bicicletas públicas em Porto Alegre e a ampliação de ciclovias e áreas externas de convivência”, afirma Schifino.

Opções de pagamento
O pagamento à vista deve ser o mais utilizado por 67,4% dos consumidores, enquanto 34% dos entrevistados comprarão o presente a prazo. Destes, 62,8% devem pagar em até três vezes e a maioria utilizará o cartão de crédito. 55,4% dizem não ter o costume de calcular os juros quando realizam compras a prazo. O valor gasto para a compra do item escolhido será de até R$ 100,00 para 77,8% dos entrevistados, enquanto 14,7 % pretendem desembolsar entre R$ 101,00 a R$ 200,00 e 7,5% pagarão acima de R$ 200,00.

Locais de compra
Com relação aos locais em que os consumidores realizarão as compras, a pesquisa indica que 62,1% escolherão as lojas de rua, um aumento de 14% em relação a 2012. Os shoppings aparecem em segundo lugar com 53,1%. A compra pela internet deve ser realizada por 4,9% dos entrevistados. Uma curiosidade apontada pela pesquisa é que a preferência da classe B divide-se entre lojas de rua e shoppings para as compras, a classe A prefere os shoppings e a classe C opta pelas lojas de rua. Entre os que vão comprar pela internet estão, em maior número, aqueles que desejam comprar apenas um presente. Constatou-se que os homens pretendem comprar mais pela internet do que as mulheres.

Como atrair o consumidor
As promoções de produtos e condições de pagamento são itens fundamentais na hora de escolher uma loja para 56,8% dos entrevistados. 11,3% dos pais entendem como prioridade a variedade de produtos e, em seguida, a rapidez no atendimento (9,3%). Ganhar descontos e prêmios, vitrines bonitas e decoradas e fácil acesso à loja e estacionamento também são aspectos importantes a serem considerados como decisivos na hora da compra.

Realidade Tecnológica
O estudo mostrou que 8,3% dos pais pretendem dar eletroeletrônicos para os filhos de presente, enquanto 3,9% celular e/ou smartphones. O número de crianças com computador, tablet e smartphone alcança 37% dos entrevistados. 4,5% dos filhos possuem smartphones e 5,5% das crianças possuem tablet próprios. Mediante classificação por classe social, a pesquisa mostrou que 22,9% das crianças da classe A possuem smartphones próprios e 36,2% das crianças da classe C possuem vídeogame, sendo um percentual superior ao da classe B (29%).

Filhos influenciam na hora da escolha
Quando questionados sobre a quem pertence o poder de decisão das compras, os respondentes afirmam que é das mães (51%), mas já nota-se um aumento da liberdade para os filhos. Segundo os consumidores, 44,2% dos filhos costumam participar das escolhas de compras da casa. Crianças de até sete anos são as que mais opinam quanto a itens de alimentação e filhos com mais de 16 anos em compras de itens de informática e celulares, eletrônicos, serviço de internet/TV por assinatura e carro. Constatou-se, também, que os pais de classe A são os que mais permitem que os filhos influenciem na decisão de compras enquanto os pais da classe B são os menos permissivos.

Infância sedentária
As opções de lazer das crianças também foram pauta do questionário. O resultado aponta, no entanto, que elas estão pouco ativas. 47% dos pais entrevistados responderam que seus filhos não praticam nenhum esporte. Dentre aqueles que praticam, o futebol (28,8%) é a modalidade mais comum e o balé e a dança (11%) em segundo. No entanto, ir à praça e parques (66,8%) e aos shoppings (28%) são as duas atividades mais prazerosas para as crianças, de acordo com os pais entrevistados. Andar de bicicleta, skate e patins (19,8%) e ir à casa de amigos (18,5%) também constam como programação preferida para os pequenos.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais