Dificuldade para inovar é a grande barreira da empresa familiar

Estudo da PwC mostra que famílias empresárias precisam abrir mão de certas tradições para se manterem competitivas no mercado

A sétima edição da pesquisa “Empresa familiar: o desafio da governança” realizada pela consultoria PwC em 40 países, revelou que as empresas familiares brasileiras , apesar de todas as dificuldades econômicas do país, têm perspectivas otimistas em relação ao seu desempenho nos próximos cinco anos. Cerca de 76% das 121 entrevistadas preveem um crescimento contínuo durante o período. A maioria delas (79%), registrou crescimento nos últimos 12 meses – um índice, inclusive, acima da média global constatada pelo mesmo estudo, que foi de 65%.

Mas para manter o fôlego e crescer, as empresas familiares no Brasil vão ter que lidar com questões tradicionalmente delicadas para elas. Um dos principais desafios elencados pelos entrevistados é a necessidade de constante inovação. Assim como na edição da pesquisa de 2012, 71% das empresas acreditam que este é um fator fundamental para se manterem competitivas no mercado. “Provavelmente, o apelo decorrente do acelerado ritmo de transformações que estamos vivendo e da chegada das novas gerações mais identificadas com novos modelos, métodos e tecnologias é que está despertando atenção para a importância de inovar”, afirma Fábio Abreu, sócio da PwC Brasil.

No entanto, os analistas da PwC observam que, na prática, as empresas familiares, em todo o mundo, continuam apresentando resistência a mudanças. Elas possuem dificuldade de repensar suas atividades ou reestruturar o modelo de negócio. Nas empresas que estão sob o comando da terceira e quarta gerações, a aversão ao risco é ainda maior. Com a responsabilidade de manter o sucesso do negócio, os sucessores preferem estratégias mais seguras e tradicionais a empreender e inovar. Também mostram maior resistência à entrada de executivos de fora da à família.

A sucessão e a profissionalização da gestão são outros aspectos que a empresa familiar precisa administrar para garantir uma trajetória ascendente. Na pesquisa da PwC, somente 11% das brasileiras relataram ter um plano de sucessão bem estruturado. Para Abreu, o percentual reflete a falta de um planejamento de longo prazo. “Este tipo de prática [planejamento] faz com que a empresa esteja preparada para o futuro, seja ele qual for”, atenta. Na opinião de Mary Nicoliello, diretora da PwC Brasil e especialista em empresas familiares, para que o negócio perdure por muitas gerações, é importante que os membros da família participem do plano de desenvolvimento do negócio como um todo. “As futuras gerações de gestores e líderes das empresas familiares devem ser contempladas com um plano de carreira desde cedo, para que se sintam parte importante da empresa, não só da família. Assim, a chance de o herdeiro se interessar pelo negócio e, posteriormente, querer assumir a gestão são muito maiores”, analisa Mary.

No caso da profissionalização, 46% das empresas brasileiras admitiram a necessidade de iniciar o processo. As mais novas são as que demonstram maior interesse. Porém, em seu relatório, a PwC identifica que falta aos negócios familiares a percepção de que a profissionalização não se resume somente à contratação de gestores de fora. “Trata-se de conferir à administração familiar processos, estrutura e disciplina para que consiga inovar, diversificar-se de modo mais eficiente, exportar mais e crescer rapidamente. Em resumo, alcançar os seus objetivos principais: assegurar um futuro no longo prazo e melhorar a lucratividade”, aponta a análise da consultoria.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais