Dinheiro de 73% dos brasileiros acaba antes dos 30 dias

Sete em cada dez pessoas fazem compra parcelada no cartão de crédito, e 67% dos inadimplentes nunca pagam o valor total da fatura. Apesar do resultado da pesquisa IBOPE sobre o perfil dos pagadores de dívidas – realizada a pedido do Instituto GEOC e Serasa Experian – parecer negativo, o brasileiro se mantém otimista. Ao menos 52% deles afirmam que sua situação financeira melhorou nos últimos dois anos.

Mas o dinheiro ainda é curto, já que por outro lado 73% ficam com a carteira vazia antes mesmo do mês acabar. Os dados foram apresentados durante o 8º Congresso Nacional de Crédito e Cobrança, em São Paulo.

Para 44% dos entrevistados, a melhora financeira foi motivada por promoção ou mudança no emprego, e 10% disseram que ingressaram no mercado de trabalho. Agora para 16% das pessoas, a situação piorou nos últimos 24 meses. As razões apontadas por elas foram a perda do emprego (36%), o descontrole nos gastos da casa (19%) e o aumento no custo de vida (10%). Foram entrevistadas 1008 pessoas, entre 20 e 59 anos, em todo o País.

Por outro lado, 77% das pessoas disseram estar com os pagamentos em dia. E 23% deixaram algum débito pendente no último mês. “Pela primeira vez, uma pesquisa trouxe a classificação por adimplente e inadimplente, o que nos permite ter o perfil exato dos consumidores brasileiros”, explicou Sílvia Cervellini, diretora da Unidade de Negócios e Serviços do IBOPE.

Entre os inadimplentes, 87% frequentemente chegam sem dinheiro no fim do mês. Para os adimplentes essa porcentagem é de 69%. Quando questionados sobre as contas que não deixam de pagar, os entrevistados responderam: luz (66%), água (57%), supermercado (40%), gás (23%), telefone fixo (21%), fatura do cartão de crédito (19%) e aluguel (16%).

Oito em cada dez participantes utilizam algum tipo de alternativa de crédito. O cartão de crédito lidera a lista (54%), seguido de cartão de loja ou supermercado (29%), carnês de lojas (29%), financiamento de veículos (18%), cheque especial (16%), empréstimo pessoal em banco (15%) e empréstimo consignado (10%). “Em média, o brasileiro possui 2,4 cartões de crédito, mas 58% não pagam a fatura integral. Entre os inadimplentes essa porcentagem sobe para 67%”, destacou Sílvia.

Metade dos inadimplentes entrevistados utilizam cheque especial, mas só 50% deles sabem quais os juros cobrados. Entre os adimplentes, o índice dos que recorrem ao limite é de 14%, em compensação, apenas 39% conhecem a taxa de juros desse tipo de crédito.

O vice-presidente do Instituto GEOC, Carlos Zanchi, ressaltou que nos últimos cinco anos, 35 milhões de brasileiros tomaram crédito pela primeira vez. “A baixa renda que ascendeu para a classe C ainda não tem o domínio dos juros. Precisamos olhar com atenção para essa parcela da sociedade e oferecer para eles educação financeira urgente”.

Para o presidente da Unidade de Negócio Credit Services, da Serasa Experian, Laércio de Oliveira Pinto, o crédito consciente depende de uma mobilização da sociedade. “Governo, instituições financeiras, professores de comunidades carentes e as famílias precisam criar uma corrente. Cada vez o crédito estará mais fácil e as pessoas precisam estar preparadas para tirar proveito dele”.
Por falar nisso, um terço dos entrevistados não sabe quanto deve e apenas 54% sabem qual porcentagem da sua renda está comprometida com as dívidas, segundo a pesquisa. “O ideal é fazer um diagnóstico preciso das contas, desde as despesas com alimentação, passeios de fim de semana, escola, prestação de carro, cinema e até possíveis imprevistos, e só então comprometer o que sobrar”, orientou Laércio.

46% dos entrevistados também declararam resolver suas pendências financeiras renegociando valores e prazos. “Saber ouvir este cliente é fundamental para o sucesso da negociação. Temos que trabalhar muito bem o perfil de cada consumidor, analisar caso a caso. Para uns a melhor opção é o desconto, para outros, um parcelamento maior. Em alguns casos, a solução está em encaixar a pequena sobra do fim do mês para que ele possa fazer o pagamento. O objetivo maior é sempre trazer esse consumidor de volta ao mercado de consumo. De maneira consciente, é claro”, concluiu Zanchi.

Veja também

    Cursos e eventosNoticias

    Sindilojas POA realiza mais um Feirão de Empregos

    Veja mais
    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais