Dívidas pressionam as famílias em março

Pesquisa sinaliza que inadimplência voltará a subir nos próximos meses

Rio – A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), que a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgou ontem, revela que o percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar as dívidas voltou a subir em março, após quatro meses consecutivos de queda. O indicador se elevou 0,7 ponto percentual, para 8,4%, ante fevereiro, conforme levantamento mensal da Divisão Econômica. Para os economistas da entidade, isso pode indicar aumento da inadimplência nos próximos meses. Na comparação anual, contudo, observa-se melhora no indicador (8,7% em março de 2010). Quanto às famílias que admitem dívidas, há ligeiro recuo, chegando a 64,8%. As responsáveis pelo resultado foram famílias com renda inferior a 10 salários mínimos. Nesse grupo, o índice das que declararam ter dívida recuou de 67,2% em fevereiro para 66,5% neste mês. No mesmo período, o percentual de endividados entre famílias com renda superior a 10 salários aumentou de 54% para 55%. Para o chefe da Divisão Econômica da CNC, Carlos Thadeu de Freitas, “o aumento do custo de vida junto com a confiança elevada na capacidade de pagamento explica o maior nível de endividamento na comparação com 2010”. Para 71,6% das famílias endividadas, o cartão de crédito é o principal débito, seguido de carnês (21,9%) e financiamento do carro (10,6%). Já a Pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), mostra que, após pequena alta de 0,7% em fevereiro (expansão de 2,8% no primeiro mês do ano), em março a intenção de consumo voltou a registrar alta moderada. Para técnicos da CNC, o varejo crescerá 6,8% em 2011, índice distante do recorde de 10,9% apurado em 2010. O levantamento mostrou ainda que 65,2% das famílias avaliam de forma positiva as perspectivas profissionais para os próximos seis meses. Segundo a ICF, a alta de 5,2% do indicador foi puxada pela melhor avaliação das famílias com renda de até 10 salários mínimos. As famílias mais ricas, porém, têm expectativa negativa no médio prazo. Quanto à renda atual, a pesquisa revela satisfação, o que, na avaliação dos economistas, condiz com as persistentes pressões inflacionárias. O subitem “renda atual da ICF” mostra o segundo pior desempenho no ano, com alta de 1,1% ante o primeiro trimestre do ano passado.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais