E-commerce e redes sociais foram o tema do 2º dia do Congresso Brasileiro do Varejo

Nesta quinta, dia 09, o tema do Congresso Brasileiro do Varejo, que ocorre junto a 3ª Febravar foi e-commerce e redes sociais. Durante todo o dia diversos especialistas abordam o tema e mostraram que a…

Nesta quinta, dia 09, o tema do Congresso Brasileiro do Varejo, que ocorre junto a 3ª Febravar foi e-commerce e redes sociais. Durante todo o dia diversos especialistas abordam o tema e mostraram que a tecnologia traz ao varejo uma novidade: o relacionamento constante com o cliente – o contato que antes era apenas em dias de compras, hoje se torna diário, com o uso das redes sociais.

Para que essa relação seja efetiva e traga vantagens ao empreendedor, Augusto Rocha, Sales Partner na Pmweb Marketing Cloud Services, disse que a relação virtual precisa ser personalizada e que é esse tratamento customizado que aproxima o cliente. “Hoje ninguém quer ser tratado como todo mundo e o tratamento customizado, que é facilitado pelas redes sociais, faz com que o cliente se sinta especial, por isso é necessário responder aos comentários e mensagens quase que instantaneamente”, explica.

Por sua vez Marcelo Leite, diretor de Marketing e Produtos dos Jornais do Grupo RBS, afirmou que quando se abre um canal na internet, a expectativa do internauta é de que se mantenha interação com a empresa. “Sem interação você perde audiência e o cliente, por isso é importante criar uma linguagem e conteúdo que faça com que o consumidor lembre da sua loja na hora de querer adquirir algum produto”, enfatizou. Nessa linha, Maurice Mello , gestor de Varejo do Google for Work, enfatizou a importância de estar atento ao uso de sites e aplicativos pelos consumidores. “A maioria das pessoas, antes de comprar, entra na internet para ver o que outros internautas falam sobre determinado produto e, normalmente, é essa informação que influencia o consumidor”, afirmou

Para isso, é importante observar que a tecnologia deve ser implantada nas lojas com bom-senso e planejamento. As plataformas online mudaram a forma de venda e consumo e o primeiro passo, antes de anunciar na internet, é conhecer bem a loja e não esquecer da relação pessoal com o consumidor. O passo seguinte é produzir conteúdo nas redes e não apenas propaganda. “O consumidor não gosta de propaganda, ele não paga por isso, mas ele paga por informação, que é o que atrai os clientes em meio a tantos anúncios em redes sociais”, afirmou o diretor de Criação da agência Global, Rafael Bohrer. Ele ainda ressalta que o varejo precisa se preparar, pois em 2018 teremos um novo perfil de cliente: os jovens nativos digitais, da Geração Z, que terão poder de compra. “Quem não tiver tecnologia, com bom-senso e cuidado, vai perder esse cliente”, alertou.

Arthur Bender, empresário e especialista em estratégias de marca, reforçou dizendo que é preciso compreender as necessidades do consumidor – tempo, confiança e carinho – e se adaptar a elas. Já Gustavo Schifino, diretor de Expansão da Trópico, complementou ao afirmar que não adianta a loja ter toda tecnologia, se apenas os donos abraçarem o negócio. “Os funcionários e os vendedores também precisam querer que os negócios cresçam. É um trabalho em conjunto”, afirmou.

Hoje, de acordo com Gabriele Bellini, cofundador da Tectra Tecnologia, o e-commerce, que terá seu ápice quando a Geração Z começar a consumir, representa 10% das vendas do varejo. E, para ele, a principal vantagem analisada nesse tipo de comércio é a quantidade de informação que o lojista tem do cliente. “Nas lojas físicas ninguém fornece tantas informações pessoais, quanto em um cadastro de venda online”, conclui.

Veja também

    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    Noticias

    Matrículas para selecionados no Capacita + POA tem o prazo prorrogado

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 24/02 A 01/03

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Em busca do melhor ponto comercial

    Veja mais