Economia deve crescer no terceiro trimestre puxada por FGTS e PIS, diz Copom

A primeira parte dos trabalhadores já começou a receber o pagamento previsto com a medida no dia 13 deste mês e a segunda parte receberá a partir desta sexta-feira, 27.

Após expansão acima do esperado no segundo trimestre, o Comitê de Política Monetário (Copom), do Banco Central, estima que a economia deve apresentar ligeiro crescimento no terceiro trimestre. "Os trimestres seguintes devem apresentar alguma aceleração, que deve ser reforçada pelos estímulos decorrentes da liberação de recursos do FGTS e PIS-PASEP – com impacto, em especial, no último trimestre de 2019", disse o comitê. Ao excluir os efeitos desses estímulos temporários, o Copom acredita que o crescimento da economia será gradual. Na quarta-feira (18), o Copom decidiu reduzir a Selic mais uma vez em 0,5 ponto percentual, para 5,5% ao ano.

No documento divulgado na última quarta-feira (25), o Copom indica que a "consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional" na taxa Selic. Entretanto, o comitê destacou que os próximos passos na definição da Selic "continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação".

Segundo o comitê, as projeções de curto prazo do mercado financeiro indicam que a inflação acumulada em 12 meses deve recuar nos próximos meses e retornar, ao final do ano, para níveis próximos aos observados até agosto. "Essa trajetória de curto prazo reflete, dentre outros fatores, comportamento benigno de alguns componentes mais voláteis da inflação e dinâmica da inflação importada, cujos vetores altistas têm sido moderados pela trajetória de preços externos". E a previsão para a inflação em 2020 está abaixo da meta de 4%. No cenário com trajetórias para a taxa de juros em 5% ao ano no fim de 2019 e câmbio em R$ 3,90, e manutenção desses patamares em 2020, a inflação deve ficar em 3,3% em 2019 e 3,6% no próximo ano.

Na ata, o Copom reiterou "a importância de continuidade da agenda de reformas e de perseverança nos ajustes necessários na economia brasileira". "Avaliaram também que, não obstante o cenário externo ter se mantido relativamente favorável para a condução da política monetária em economias emergentes, o risco de cenários adversos para ativos de risco parece ter se intensificado", acrescentou.

Fonte: Jornal do Comércio

Veja também

    Noticias

    Reunião de Diretoria Ampla debate temas jurídicos relevantes ao comércio

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Feira Brasileira do Varejo (FBV) é lançada oficialmente em Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 19/02 A 23/02

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Tendências mundiais que impactam o varejo local

    Veja mais