Empresário deve transformar crise em oportunidade de crescimento

A crise financeira já tem reflexos certos no país, até mesmo os que afirmavam que seria apenas uma “marola”, já afirmaram que o reflexo na economia será muito maior, como é o caso do ministro da…

A crise financeira já tem reflexos certos no país, até mesmo os que afirmavam que seria apenas uma “marola”, já afirmaram que o reflexo na economia será muito maior, como é o caso do ministro da Fazendo Guido Mantega. Mas o que os empresários devem fazer nesse momento? É hora de investir ou de ficar quieto esperando a crise passar? Essa resposta dependerá da situação que sua empresa se encontra nesse momento.

Uma coisa é certa, ninguém arrisca dizer até quando essa crise vai durar e quais serão os verdadeiros reflexos da turbulência financeira na renda do consumidor e no crescimento das empresas. Contudo, enquanto muitas empresas se retraem colocando em suspenso seus planos de negócios, os empresários empreendedores vêm na crise um período de oportunidades, sabendo que os investimentos feitos nesse momento tendem a ter um retorno muito maior no futuro.

O grande problema do empresário que não é empreendedor é que nesse momento eles ficam acuados pela falta de perspectiva apresentada pelos noticiários. Mas sempre observo que em momento de crise é que nasce as grandes idéias e que se constrói grandes impérios. Isso porque novas oportunidades aparecem nestes momentos já que o empresário é obrigado a deixar a “zona de conforto” e repensar em opções para que seus empreendimentos sobrevivam em um ambiente adverso, abrindo a visão para alternativas que estavam próximas, mas que não se conseguia observar.

O primeiro passo para o empresário que quer sair desta crise fortalecido é muito simples: reforce sua gestão financeira. Fazendo um diagnostico da atual situação da empresa, ou seja, fazer uma análise aprofundada do caixa de sua empresa, do que receberá e do que pagará, sempre observando essa situação em curto, médio e longo prazo.

É importante ressaltar que a utilização dos recursos disponíveis nesse momento deve ser feito com cuidado, a partir do diagnóstico, não correndo o risco de utilizar uma quantidade de dinheiro que não dispõe para nova estratégia para empresa. Outra preocupação é onde aplicar os recursos da empresa que também deve ser feito com base no diagnóstico. Por exemplo, se o dinheiro é para capital de giro, este deverá ser aplicado em tipos de investimento com disponibilidade imediata, como fundo DI. Já para aqueles objetivos e projetos de médio prazo o dinheiro deve ser aplicado em investimentos com prazos maiores, que pagam melhores taxas, já que as instituições financeiras oferecem ótimas vantagens em busca fidelidade. Para longo prazo a dica é a mesma.

Um alerta se faz necessário, essa é a pior hora para o empresário que não possui capital realizar empréstimos para investimentos, sendo que a tendência é que os juros subam, fazendo com que essa ação se torne uma “bola-de-neve” nos próximos meses. O que levará a empresa a rumos perigosos, podendo ocasionar até mesmo a falência.

Empréstimos só devem ser feitos em casos de retorno garantido, e mesmo assim negociando taxas de juros para índices muito abaixo do mercado. Caso não se tenha certeza do retorno rápido para o dinheiro emprestado o melhor a fazer é manter a situação da empresa sem alterações. Esperando o fim da crise para investir em novas idéias.

Outro ponto fundamental para as empresas nesse momento de crise é o auxílio dos colaboradores, muitas vezes despesas deverão ser cortadas e o trabalho de todos deverão ser intensificados, caso isso não seja trabalhado adequadamente, os reflexos da crise em sua empresa será ainda maior com a queda de produtividade num momento crucial. A melhor saída para que isso não ocorra intensificar ou mesmo criar um canal de diálogo com seus colaboradores, é ouça e converse e faça com que os líderes mantenham o ânimo de toda equipe. É muito importante que a insegurança do mercado não reflita nas lideranças da empresa, pois isso poderá ser fatal para a saúde da empresa. E como o exemplo vem de cima é a hora do empresário intensificar sua liderança com atitudes positivas.

Motivar e mostrar o verdadeiro momento vivido são importantes, sem pessimismo, mostrando que a estabilidade dependerá muito do empenho de todos melhorando a produtividade. Também é importante mostrar a importância de novas idéias dos colaboradores, mostrando opções para empresa crescer nesse momento de crise, pois, muitas vezes eles conhecem melhor o mercado e os riscos do ramo em que a empresa atua. Infelizmente, o momento não é de contratações, assim os problemas devem ser resolvidos internamente e isso deve ocorrer de forma saudável, mostrando que o período é passageiro e que ao fim deste todos serão recompensados.

Ser um empresário empreendedor no Brasil ou em qualquer lugar do mundo é saber correr riscos, ser flexível nos momentos difíceis, vibrar pelas conquistas, e principalmente combater de frente os obstáculos, buscando alternativas e novas opções de negócios, porque onde existe crise, pode ter certeza, sempre existe oportunidades e lucros.

*Reinaldo Domingos, consultor e terapeuta financeiro, presidente do DiSOP Instituto de Educação Financeira (www.disop.com.br), autor dos Livros Terapia Financeira e O Menino do Dinheiro (Editora Gente) e presidente do Grupo Confirp “Referencia em Contabilidade no Brasil”

Veja também

    Noticias

    Sindilojas Porto Alegre tem reunião com o prefeito Sebastião Melo

    Veja mais
    Noticias

    Sindilojas POA acompanha lançamento de agenda legislativa na Fecomércio RS

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    FBV 2024 – o próximo passo está aqui

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 06/04 a 12/04

    Veja mais