Empresas devem pagar piso regional sem reajuste

Lei previa que o novo mínimo entrasse em vigor no dia 1 de fevereiro

Trabalhadores e empresários no Estado estão ansiosos pela decisão final do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS)…

Lei previa que o novo mínimo entrasse em vigor no dia 1 de fevereiro

Trabalhadores e empresários no Estado estão ansiosos pela decisão final do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS) sobre o reajuste de 16% do salário-mínimo regional. O julgamento sobre as novas faixas salarias, entre R$ 1.006,88 e R$ 1.276,00, conforme a categoria, está previsto para 18 de março. Enquanto o novo piso permanecer suspenso, empregadores não devem aplicar o reajuste na folha de pagamento.

O próximo salário deveria ser o primeiro a incluir o reajuste, pois a Lei nº 14.653, que estabelece o novo piso, passaria a vigorar em 1 de fevereiro. No entanto, uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), impetrada pela Federação do Comércio de Bens e Serviços do Rio Grande do Sul (Fecomércio-RS), fez com que a Justiça suspendesse, no final de dezembro, o novo salário-mínimo regional.

A entidade alegou inconstitucionalidade do aumento e, desde então, trabalhadores e empresários criam expectativas sobre a decisão da Justiça.

Por enquanto, até que o TJRS se manifeste, as empresas devem manter o salário anterior, sem reajuste. A Fecomércio enviou um comunicado aos 112 sindicatos filiados, afirmando que os empregadores não precisam cumprir os novos valores estabelecidos enquanto a liminar da Justiça estiver mantida. Caso a liminar seja revogada e o piso seja julgado constitucional, a entidade advertiu empregadores de que eles poderão ter que pagar as diferenças salariais na primeira folha de pagamento.

Segundo a advogada trabalhista Martha Macedo Sittoni, professora da Faculdade de Direito da Pucrs, agora não é o momento para empresas fazerem reajustes. O pagamento deve ser realizado normalmente, sem ser em consignação judicial, quando o pagante discorda da cobrança. Se a liminar for revogada e os novos salários passarem a vigorar, a Justiça determinará se os empregadores deverão pagar a diferença equivalente ao reajuste dos meses a partir de fevereiro, ou se deverão apenas aplicar o aumento a partir da nova data determinada.

Assim, se o piso for julgado constitucional, é possível que empresas tenham que arcar com o reajuste retroativo a fevereiro. Neste caso, a advogada trabalhista explica que, dificilmente, o pagamento da diferença deverá ser feito de uma só vez, mas sim parcelado em quantidade de vezes proporcional ao número de meses que o reajuste permaneceu suspenso. “Em princípio, no entanto, a tendência do Judiciário não é determinar o pagamento do retroativo, e sim apenas aplicar o reajuste da nova data em diante”, aponta Martha.

Para a contadora Soeli Rinaldi, a liminar não deve ser revogada, e a tendência da Justiça é manter o salário-mínimo regional antigo, sem reajuste. “Não que os trabalhadores não mereçam aumento, mas os valores determinados não condizem com a realidade financeira das empresas gaúchas, sem que elas diminuam o quadro de funcionários”, opina.

Segundo a contadora, o ideal é que o aumento do piso fosse equivalente à inflação, prevista em 7%, e que os valores fossem negociados, de comum acordo, entre as entidades de classe.

Em função do possível reajuste, ela recomenda que as empresas já se organizem e façam uma aplicação financeira para guardar valores dos futuros aumentos.

Se Justiça aprovar reajuste, Fecomércio vai recorrer

O presidente da Fecomércio, Luiz Carlos Bohn, afirma que, se a liminar for revogada e o novo salário-mínimo regional entrar em vigor, a entidade pretende recorrer na Justiça.

Segundo Bohn, a maioria das empresas no Estado paga salários acima do mínimo regional, e trabalhadores de empresas que participam de negociações coletivas lideradas pelos sindicatos não são atingidos pela lei. Assim, empregados domésticos e trabalhadores rurais, sem entidades representativas, são os mais beneficiados pelo reajuste.

“A negociação coletiva é mais saudável, e nós nos entendemos bem com os trabalhadores neste campo”, acredita Bohn. O presidente da Fecomércio também afirma que a entidade não é contra o aumento para trabalhadores, mas alerta que um reajuste de 16% poderá impactar em demissões coletivas.

Para o presidente da entidade, a legislação que impõe um salário-mínimo regional é ultrapassada e atrapalha as negociações coletivas entre sindicatos patronais e laborais.

Trabalhadores pedem manifestação do governador

Desde o início do ano, centrais sindicais pedem uma audiência com o governador José Ivo Sartori, para que ele manifeste publicamente sua posição sobre o novo salário-mínimo regional. O procurador-geral do Estado, Euzébio Fernando Ruschel, já afirmou que, no entendimento da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), o novo piso é constitucional, e o órgão enviou recurso ao Poder Judiciário. A Central Única de Trabalhadores do Rio Grande do Sul (CUT-RS) já fez um pedido de revogação da liminar, que foi negado pela Justiça. Contudo, o desembargador Túlio de Oliveira Martins permitiu que a CUT-RS possa se manifestar pelo interesse na causa.

Nas palavras do secretário de relações do trabalho da CUT-RS, Antônio Guntzel, os trabalhadores estão “revoltados”. “Queremos dialogar com os desembargadores e mostrar que o reajuste de 16% significa muito para nós. O governador, os deputados e até o Judiciário tiveram seus aumentos, nós também queremos o nosso”, afirma. Segundo Guntzel, o Ministério Público do Estado manifestou a representantes da entidade que também defende o reajuste de 16%.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais