Entra em vigor a lei que pune empresas corruptas

Companhias condenadas poderão ser multadas em até 20% do faturamento bruto ou fechadas.

Fraudar licitações ou corromper políticos e servidores são atos que, a partir de hoje, ganham um novo peso no…

Companhias condenadas poderão ser multadas em até 20% do faturamento bruto ou fechadas.

Fraudar licitações ou corromper políticos e servidores são atos que, a partir de hoje, ganham um novo peso no mundo corporativo. Entra em vigor a Lei Anticorrupção, que prevê punições ao caixa das companhias condenadas por delitos contra a administração pública.

A norma estabelece que empresas, fundações e associações passarão a responder civil e administrativamente sempre que a ação de um empregado ou representante causar prejuízos ao patrimônio público ou infringir princípios da administração pública ou compromissos internacionais assumidos pelo Brasil. Para as empresas, trata-se de uma mudança que exige revisão dos seus procedimentos internos e de contratos com terceirizadas.

O principal item da lei é a punição financeira. Organizações condenadas poderão ter de pagar até 20% do faturamento bruto. Não sendo possível fixar a sanção com base nesse critério, o valor poderá chegar a R$ 60 milhões. Além disso, será preciso devolver aos cofres públicos todo o dinheiro desviado.

Além da multa, a empresa ainda pode ter seus bens sequestrados e suas atividades suspensas ou interditadas. Dependendo da gravidade do caso, a Justiça poderá inclusive determinar a dissolução compulsória da companhia.

Outro mecanismo, de caráter pedagógico, prevê a divulgação dos episódios. A sentença condenatória deverá ser publicada em veículos de comunicação de grande circulação, dando publicidade ao fato à custa da própria condenada.

A lei garante a punição da organização independentemente da responsabilização de um de seus dirigentes ou de agentes públicos. As empresas também não poderão mais alegar desconhecimento dos fatos, destaca o professor Fernando Zilveti, da Fundação Getulio Vargas (FGV):

– Com a nova lei, os administradores precisam saber tudo o que é feito na empresa por todos os subordinados e pelos terceirizados, pois terão de responder por eventuais ilícitos.

Toda a classe empresarial terá de rever criteriosamente suas práticas internas e a relação com terceiros, pois não há espaço para alegar desconhecimento dos fatos, acrescenta o especialista.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais