Estado planeja mudanças para proteger produtos gaúchos

Em vigor desde o início do ano, a Resolução 13, do Senado, fará com que o governo do Rio Grande do Sul adote medidas visando ao fortalecimento da produção local. A lei prevê alíquota unificada de ICMS de…

Em vigor desde o início do ano, a Resolução 13, do Senado, fará com que o governo do Rio Grande do Sul adote medidas visando ao fortalecimento da produção local. A lei prevê alíquota unificada de ICMS de 4% nas operações interestaduais envolvendo produtos importados no intuito de acabar com a chamada guerra dos portos. Diante desse cenário, uma das principais intenções do Estado é evitar a concorrência dos itens estrangeiros vindos de outras unidades da Federação com os artigos produzidos em solo gaúcho.

“Nos próximos dias e meses, pretendemos implementar medidas para proteger a economia gaúcha. O grande objetivo é equalizar a carga tributária do produto importado que vem de outro estado por 4% com os produtos fabricados no Estado”, diz o subsecretário da Receita Estadual, Ricardo Neves Pereira. Na quinta-feira, Pereira esteve na Fiergs palestrando para empresários sobre os efeitos da resolução para a economia gaúcha. Ele diz que ainda é cedo para se analisar os impactos financeiros da iniciativa. Até o ano passado, o Rio Grande do Sul cobrava alíquota de 12% nas operações interestaduais envolvendo importados. Nos primeiros 25 dias de 2013, o Estado comprou R$ 1,3 bilhão nesse tipo de negociação, gerando uma arrecadação de ICMS de R$ 47,5 milhões.

Segundo o subsecretário da Receita Estadual, o novo cenário tende a ser favorável aos gaúchos. Em sua apresentação, Pereira lembrou que a política agressiva de concessão de benefícios por parte de algumas localidades, entre elas Santa Catarina, estava gerando diversos efeitos negativos, como a migração de empresas e a dificuldade de atração de investimentos. Com a resolução, a projeção é positiva. “A expectativa é de que haja uma diminuição das compras de importados de outros estados e que o pessoal comece a importar pelo Rio Grande do Sul. Isso vai acabar aumentando a arrecadação interna”, afirma. A alíquota de ICMS para importação via solo gaúcho, porém, continuará oscilando entre 12% e 17%.

Neste sentido, Pereira enfatiza que diferentes desafios precisarão ser equalizados nos próximos meses. A intenção é verificar com diferentes setores da economia as consequências da resolução e as medidas necessárias de fortalecimento da produção local. Um dos primeiros segmentos a serem chamados para a conversa é o arrozeiro.

Mesmo sendo favorável à unificação do ICMS em 4%, o coordenador do conselho de assuntos tributários e legais da Fiergs, Thômaz Nunnenkamp, defende uma melhor regulamentação da iniciativa. “A ideia é boa, mas enxergamos problemas na operacionalização dela. Do jeito que o remédio está sendo administrado, ele pode causar sérios problemas para as empresas”, acredita.

Veja também

    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    Noticias

    Matrículas para selecionados no Capacita + POA tem o prazo prorrogado

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 24/02 A 01/03

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Em busca do melhor ponto comercial

    Veja mais