Fazenda espera crescimento maior da economia em 2017 e 2018

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira que a Pasta atualizou a previsão de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 para 1,1% – antes, a estimativa era de 0,5%. 

Por Fábio Pupo, Fabio Graner e Edna Simão | Valor BRASÍLIA  –  (Atualizada em 15/12)

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira que a Pasta atualizou a previsão de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 para 1,1% – antes, a estimativa era de 0,5%. 

Segundo o ministro, os cálculos feitos pela Fazenda refletem o processo de redução de endividamento das empresas e a queda dos juros. "Em primeiro lugar, houve um processo de desalavancagem. Durante a recessão, elas estavam alavancadas, aumentaram nível de endividamento. Paralelamente, houve descompressão da politica monetária do Banco Central, que passou de política restritiva para política expansiva — ou seja, com juros reais mais baixos", afirmou.

Na avaliação de Meirelles, o processo de recuperação já levou empresas e pessoas a consumirem mais.

Para 2018, o ministro afirmou que a nova previsão reflete o fato de o crescimento da economia gerar confiança no mercado, que também trabalha atualmente com expectativa de inflação controlada. "Temos conjugação de fatores positivos. Houve aumento grande da confiança na economia e isso ajuda no investimento. O aumento da confiança também ajudou no consumo e as reformas em andamento levam à possível queda dos juros estruturais", disse.

Teto de gastos

A mudança na projeção oficial do PIB para 3% em 2018 e o consequente aumento nas estimativas de receitas deve compensar, ainda que parcialmente, a eventual frustração orçamentária pela demora na aprovação de medidas que elevam a arrecadação federal. Ainda assim, a preocupação da equipe econômica para o ano que vem continua, mas voltada ao campo das despesas.

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Fabio Kanczuk, afirmou que os desafios do ano que vem estão no campo das despesas graças à lei do teto de gastos. Criada em 2016, a norma limita o crescimento das despesas pela inflação em 12 meses registrada até o meio do ano anterior.

Segundo ele, o teto é um desafio maior em 2018 do que o próprio cumprimento da meta fiscal – que autoriza um rombo de até R$ 159 bilhões. "A restrição mais ativa para o ano de 2018 é a do teto. Ali que vai ser duro", afirmou.

Kanczuk lembrou que medidas importantes para aliviar despesas ainda aguardam votação no Congresso. Estão entre elas o projeto de lei 8.456/2017, que prevê reoneração da folha, e a medida provisória 805/2017, que posterga o reajuste de servidores civis. Caso fossem aprovadas até o fim de 2017, elas diminuiriam despesas de R$ 7,4 bilhões em 2018. Um adiamento reduziria essa economia.

No total, o limite de gastos em 2018 é de R$ 1,348 trilhão, mas o espaço para as despesas discricionárias é de apenas R$ 108 bilhões nas contas do governo – considerando a aprovação de todas as medidas. Sem as aprovações, esse número deve ficar ainda menor.

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, adiantou no último mês que haverá um contingenciamento de até R$ 21,4 bilhões em 2018 caso não haja as aprovações. O número considera R$ 14 bilhões de impacto fiscal das propostas que elevariam receitas e outros R$ 7,4 bilhões das que reduziriam despesas.

Do lado das receitas, o governo ganha um impulso na estimativa de arrecadação com a revisão do PIB. "O orçamento foi feito com 2,5% e aqui nossa conta é 3%, então o impacto é óbvio", afirmou Kanczuk, acrescentando que a receita cresce ainda mais que o PIB (com uma elasticidade estimada entre 1,3 e 1,4 vez o crescimento do produto).

A medida que geraria receitas mais urgentes para o ano que vem seria a que criaria R$ 6 bilhões em arrecadação em 2018 ao mudar as regras de tributação de fundos de investimento exclusivos (MP 806/2017). Ela precisaria ser aprovada ainda neste ano para valer em 2018. Como a proposta mexe com o Imposto de Renda, segue a regra constitucional que exige a criação ou alteração no exercício anterior ao do início da cobrança. Após a votação do Orçamento, que costuma encerrar o ano legislativo, cresce o risco de a Fazenda já começar o ano com a primeira frustração orçamentária.
 

Fonte: Valor Econômico

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais