Fecomércio-RS: pesquisa revela que consumidores aboliram o uso do cheque para as compras no comércio

A relação de compras no comércio varejista está se alterando com o passar do tempo. Os consumidores estão cada vez mais se utilizando da tecnologia e buscam por descontos na hora de pagar à vista ou a…

A relação de compras no comércio varejista está se alterando com o passar do tempo. Os consumidores estão cada vez mais se utilizando da tecnologia e buscam por descontos na hora de pagar à vista ou a prazo, e o cheque está perdendo espaço nesse uso. Um levantamento realizado entre os dias 5 e 6 de dezembro, com 250 entrevistados, sinalizou a maneira como esta mudança está acontecendo. O “Quesito Especial 2 – Formas de Pagamento”, que compôs as questões da Pesquisa de Intenção de Compras de Natal da Fecomércio-RS (Federação do Comércio de Bens e de Serviços do RS), está sendo divulgado hoje pela entidade e indica as preferências do consumidor na hora de pagar suas aquisições.

Quando perguntados sobre as formas de pagamento que serão utilizadas nas compras dos presentes, a maioria (64,8%) respondeu que pagará à vista, enquanto que 31,6% preferiram a compra parcelada e 3,6% não sabem/não responderam. Para o assessor econômico da Fecomércio-RS, Carlos Cardoso, os recursos extras desta época do ano facilitam a escolha pela compra à vista. “As empresas pagam as bonificações aos seus colaboradores, além dos recursos do 13º salário e das férias. Isso causa um impacto na decisão do consumidor”, avalia Cardoso. Além disso, o economista percebe que a escolha à vista é boa para ambos os lados da negociação, pois confere normalmente desconto para o cliente e fornece capital de giro para o empresário.

Um dos dados mais significativos do “Quesito Especial 2” foi quanto às condições de pagamento escolhidas para as compras. No caso do pagamento à vista, 95,1% escolheram o dinheiro, seguidos por 4,9% que preferem o cartão de crédito/débito. O cheque não foi citado por nenhum dos respondentes. O mesmo acontece nas compras parceladas: 70,9% preferem o uso do cartão, 30,4% o carnê/crediário e 1,3% disse não saber. “O cheque está desaparecendo para este tipo de compra de menor valor no varejo. Seu uso está mais voltado para bens de maior valor, além de compras entre empresas, o que cria um vínculo na negociação”, avalia Cardoso.

O economista cita os dados do Banco Central, que mostraram que o tíquete médio do cheque é de R$ 1.097,00, enquanto que dados da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços) mostram um valor médio bem diferente no uso do cartão de crédito: R$ 62,00. “Não é surpresa o cheque não figurar mais como uma opção na hora das compras. O cartão é o primeiro contato de muitos clientes com o sistema financeiro, e não exige conta em banco para isso. O mesmo não acontece com o talão de cheques. Talvez por isso cresça o número de pessoas das classes D e E que usam o cartão”, finaliza.

Veja também

    Noticias

    Sindilojas Porto Alegre recebe prêmio da Confederação Nacional do Comércio (CNC)

    Veja mais
    Decretos e regrasNoticias

    Funcionamento do comércio no feriado de Tiradentes: saiba como será

    Veja mais
    Noticias

    Sindilojas Porto Alegre tem reunião com o prefeito Sebastião Melo

    Veja mais
    Noticias

    Sindilojas POA acompanha lançamento de agenda legislativa na Fecomércio RS

    Veja mais