Fim do IPI altera perfil do financiamento pessoal

A demanda de crédito da pessoa física este ano deve seguir um perfil bem diferente do registrado no ano passado. Em 2009, o consumidor aproveitou o impacto benéfico das reduções do Imposto sobre Produtos…

A demanda de crédito da pessoa física este ano deve seguir um perfil bem diferente do registrado no ano passado. Em 2009, o consumidor aproveitou o impacto benéfico das reduções do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nos preços de fogões, geladeiras, móveis e automóveis para antecipar compras de bens duráveis, impulsionando as vendas a crédito. O mesmo não deve ocorrer este ano, quando os incentivos fiscais chegam ao fim.

Grandes redes varejistas como a Ricardo Eletro já preparam estratégias para tentar compensar o fim da redução do IPI e apos¬tam na venda de televisores de LCD, com a proximidade da Copa do Mundo, entre junho e julho, para equilibrar os resultados de 2010 com os do ano passado. A diretora de vendas da rede, Jacqueline Feital, comentou que durante o mundial, as vendas de TVs costumam subir dois dígitos. “Na Copa anterior, de 2006, os televisores de plasma e de LCD eram novidade e tinham preços muito elevados. Mas agora estão mais em conta, acessíveis até mesmo para as classes C e D, com crédito parcelado”, conclui. Além disso, o consumidor brasileiro não compra itens caros, como geladeiras e fogões, todo o ano. E a menor procura por duráveis pode influenciar, sim, o desempenho de crédito pessoal neste ano, em relação ao ano passado. Em 2009, mesmo com a crise, as operações de crédito para o consumidor no País tiveram um aumento de 14,9%, de acordo com dados do Banco Central reunidos pelo coordenador de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Roberto Olinto. Ele explicou que este percentual é menos intenso do que o apurado em 2008, quando as operações de crédito mostraram alta de 31%. “Porém, a procura por crédito vem mos¬trando um movimento crescente, desde 2003. E o ano passado foi atípico, devido à crise”, diz. Para este ano, na avaliação do técnico da Serasa, as perspectivas de um bom momento macroeconômico para 2010, com possibilidade de aumento no poder aquisitivo da população, devido a reajustes no salário-mínimo e bons indicadores no mercado de trabalho, pode levar o consumidor a investir no sonho da casa própria, com a ajuda de financiamentos. A Losango, empresa de soluções financeiras do HSBC, está acompanhando os novos interesses do consumidor no campo de financiamentos. Mesmo com a crise global no ano passado, a financeira apurou um aumento de 5% no volume de operações financeiras em 2009 ante 2008, impulsionado pelo apetite do consumidor em comprar bens duráveis. Para driblar o provável menor interesse do brasileiro por este tipo de produto nas compras a crédito em 2010, a empresa aposta em financiamentos para material de construção neste ano. “Quando o consumidor compra um imóvel, quase sempre realiza obras. Estamos estimando um crescimento de 25% somente para o crédito para material de construção em relação ao ano passado”, afirma o executivo-chefe da Losango Hilgo Gonçalves.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais