Fique por dentro das mudanças do Simples Nacional para 2018

A partir deste mês, a forma de cálculo e as faixas de faturamento do Simples Nacional mudaram e todas as empresas optantes deste regime precisam estar atentas para se adaptar. 

A partir deste mês, a forma de cálculo e as faixas de faturamento do Simples Nacional mudaram e todas as empresas optantes deste regime precisam estar atentas para se adaptar. Se este é o seu caso, fique por dentro e acompanhe as alterações. Afinal, segundo Eduardo Plastina, consultor jurídico do Sindilojas Porto Alegre, é necessário realizar simulações de acordo com a realidade de cada negócio para entender se essa permanece sendo a melhor alternativa de tributação.

A Lei Complementar (LC) n° 155/2016, que alterou a LC n° 123/06 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto dos optantes pelo Simples Nacional, entrou em vigor no dia 1° de janeiro de 2018. E, de acordo com Plastina, a novidade traz importantes alterações, tais como:

A mudança dos limites de enquadramento: os valores limites de faturamento para optar pelo regime de tributação foram aumentados, passando para R$ 81 mil, para o Microempreendedor Individual (MEI), e para R$ 4,8 milhões para as Empresas de Pequeno Porte (EPP). Porém, os limites para o recolhimento do ICMS permanecem em R$ 3,6 milhões para o Simples Nacional. “O que significa, em última análise, que as empresas com faturamento entre R$ 3,6 milhões e R$ 4,8 milhões poderão ser optantes do Simples Nacional, mas recolherão por esta sistemática exclusivamente os tributos federais, sendo o ICMS tributado fora do sistema simplificado, conforme as normas do Estado do Rio Grande do Sul para o regime geral, devendo ser cumpridas todas as obrigações, inclusive acessórias”, explica.

Alteração na forma e das tabelas de cálculo: em uma sistemática muito próxima daquela aplicada para o cálculo do IRRF (Imposto sobre a Renda Retido na Fonte) , sobre os pagamentos a pessoas físicas, o valor devido mensalmente será determinado mediante a aplicação das alíquotas efetivas, calculadas a partir das alíquotas nominais constantes das tabelas dos Anexos da LC nº 123/06, sobre a receita bruta mensal  a alíquota efetiva é resultado da seguinte equação: [(RBT12 x Alíq) – PD]/RBT12, onde:

(a) RBT12 é a receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao período de apuração;

(b) Alíq é a alíquota nominal constante nas tabelas do anexo conforme a faixa de faturamento anual; e

(c) PD é a parcela a deduzir relativa a cada faixa de faturamento.

Além disso, também foram estabelecidas novas regras de transição para a EPP que em 2017 faturou entre R$ 3,6 milhões e R$ 4,8 milhões. Agora, os negócios com este faturamento poderão continuar no Simples Nacional, porém serão impedidos de recolher o ICMS de acordo com a nova sistemática, bem como para o MEI que em 2017 faturou entre R$ 60 mil e R$ 81 mil.

Consultoria Jurídica gratuita

Empresas associadas ao Sindilojas Porto Alegre também têm direito a consultas gratuitas com os assessores jurídicos. Para informações sobre horários e agendamentos, entre em contato pelo telefone (51) 3025-8300.

 

Veja também

    Noticias

    O Sindilojas Porto Alegre é finalista do Top de Mkt ADVB/RS 2024

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades desta semana para as obras no Centro da capital

    Veja mais
    PesquisaNoticias

    Vendas de eletrodomésticos típicos de frio estão em alta

    Veja mais
    Noticias

    Entidades empresariais cobram agilidade da União para a liberação de recursos a...

    Veja mais