Governo entregará contas em dia, diz secretário

O secretário da Fazenda, Ricardo Englert, assegurou ontem que entregará o Estado ao futuro governo em situação de equilíbrio financeiro. Pelas contas preliminares do órgão, janeiro terá um superávit de…

O secretário da Fazenda, Ricardo Englert, assegurou ontem que entregará o Estado ao futuro governo em situação de equilíbrio financeiro. Pelas contas preliminares do órgão, janeiro terá um superávit de R$ 100 milhões no Tesouro – suficiente, segundo Englert, para começar o ano “fazendo poupança”.

O superávit previsto para janeiro está vinculado às antecipações de receita, especialmente do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Os contribuintes têm desconto se saldarem a dívida até 3 de janeiro. Até a próxima quinta-feira, o governo espera arrecadar R$ 322 milhões do imposto, cerca de 20% de toda a receita vinculada ao IPVA.

Além disso, Englert saudou um aumento na arrecadação de ICMS de R$ 866 milhões em 2010 em relação ao previsto – cerca de 5% além da expectativa orçamentária e 18,5% superior ao resultado do ano passado. O aumento é maior do que o crescimento estimado da economia gaúcha em 2010, de 7,8%.

Mesmo com o comportamento favorável da arrecadação, o Estado fechará dezembro com déficit de R$ 656,5 milhões devido ao pagamento do 13º salário. No dia 1º de janeiro, o caixa estará zerado, apesar de um superávit acumulado em quatro anos de R$ 1,076 bilhão, por conta da quitação de antigas pendências, como as dívidas com fornecedores e com precatórios. O governo optou honrar esses compromissos em vez de deixar recursos disponíveis. – Tivemos o cuidado de devolver o Estado ao tamanho de suas receitas. Isso é uma grande notícia. Mas o futuro governo terá de continuar com o cinto apertado – disse Englert.

A dívida com a União, de R$ 37 bilhões, segue sendo um problema – mas de longo prazo. O governo também precisa honrar mensalmente os juros dos saques feitos no passado ao caixa único, que somam R$ 4,636 bilhões, e equacionar um déficit previdenciário anual de R$ 4 bilhões. Em curto prazo, entretanto, a perspectiva é positiva, segundo Englert. – Vamos repassar o Estado com um cheque forte de R$ 3,6 bilhões – exaltou o secretário, referindo-se ao caixa único do Tesouro.

O secretário explicou que o governo recebeu o caixa, um mecanismo que concentra todas as receitas que não são do Executivo, com R$ 5 milhões. Segundo o dirigente, o governo não se socorre do mecanismo, usado para fazer frente a despesas urgentes, desde novembro de 2007. Em setembro daquele ano, no entanto, a governadora autorizou um saque recorde de R$ 1,4 bilhão do fundo.

O secretário da Fazenda também festejou a possibilidade de o Estado se candidatar a créditos novos de R$ 1,8 bilhão já em 2011, a maior parte dos recursos oriunda do BNDES. A partir do ano que vem, o Estado já poderá fazer parte do Programa de Ajuste Fiscal (PAF), se mantiver o equilíbrio financeiro, devido ao bom resultado de sua administração financeira.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais