Governo faz corte adicional de R$ 577 milhões no Orçamento

Entre os motivos, está a diminuição da arrecadação do IR devido à revisão da tabela de cálculo

O governo federal fez um corte adicional de R$ 577,1 milhões nas despesas do Orçamento da União em 2011. O Relatório de Avaliação de Despesas e Receitas do primeiro bimestre de 2011, divulgado nesta segunda-feira pelo Ministério do Planejamento e encaminhado ao Congresso Nacional, prevê um corte total de R$ 50,664 bilhões em 2011. O relatório explica que foi constatada a necessidade de aumento do empenho das despesas nesse volume adicional de R$ 577,1 milhões, em função da revisão das projeções de receitas. Entre estes fatores estão a diminuição da arrecadação do Imposto de Renda devido à revisão de 4,5% da tabela de cálculo do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF). Quando o governo anunciou o corte de R$ 50,1 bilhões no Orçamento, não havia ainda o anúncio da revisão da tabela.

Receita líquida

O Ministério do Planejamento divulgou ainda uma redução nas estimativas de receita líquida (exceto contribuição para a Previdência Social) de R$ 527,1 milhões para 2011. Em relação somente às receitas administradas pela Receita, a redução foi de R$ 511,7 milhões no resultado anual. Segundo o documento, a nova estimativa incorporou os valores arrecadados em fevereiro, que serão divulgados esta semana, e leva em conta a revisão de 4,5% na tabela progressiva para o cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

Inflação e PIB

Apesar do aumento das projeções de inflação pelo mercado financeiro, o governo prevê que o IPCA acumulado em 2011 ficará em 5%. A projeção consta no Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas de 2011, encaminhado hoje ao Congresso Nacional. O mercado prevê, na pesquisa Focus divulgada na manhã de hoje, um IPCA bem mais elevado em 2011, de 5,88%. O governo também manteve projeção de 5% de crescimento no Produto Interno Bruto (PIB) em 2011. A estimativa também é mais elevada que a do mercado financeiro, registrada na pesquisa Focus, de 4,03%. O relatório reestimou, no entanto, a previsão da Selic (a taxa básica de juros da economia) média, de 10,71% para 11,58%. A projeção de câmbio médio também foi reavaliada, caindo de R$ 1,72 para R$ 1,70. O preço de petróleo médio foi reestimado, subindo de US$ 88,49 para US$ 98,34, com uma alta de US$ 9,85. Já a projeção para o Índice Geral de Preços – disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu de 5,50% para 6,28%.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais