Guerra do crediário próprio contra os cartões ganha novo fôlego

Para alastrar o uso dos cartões de crédito, as credenciadoras terão de vencer a cultura regional de preferência dada ao crediário próprio no varejo. A Lojas Colombo cede ao apelo das transações com…

Para alastrar o uso dos cartões de crédito, as credenciadoras terão de vencer a cultura regional de preferência dada ao crediário próprio no varejo. A Lojas Colombo cede ao apelo das transações com cartão de crédito meio a contragosto. O diretor administrativo, financeiro e de TI do grupo, Gilberto Galafassi, confessa que a energia da rede está sendo injetada para turbinar o crediário próprio, administrado por uma financeira da casa. É a tática de fechar porteiras para a fuga de rentabilidade do negócio, com margens cada vez mais apertadas. “Mas é certo que os cartões vão continuar crescendo. Muitas companhias estão plastificando os clientes”, rende-se.

Até porque os números falam por si só: nos últimos 13 anos, os cartões pularam de 7% para 35% das compras, o mesmo espaço do Crédito Direto ao Consumidor (CDC). Por isso, a rede prepara artilharia para reforçar o plástico próprio, que tem a bandeira Visa. São 200 mil clientes com o produto, cujo peso é módico na cifra comercializada: 4% a 5% das transações com plásticos.

O apego ao crediário é marca registrada de grupos regionais de varejo. Fabio Junior Zamin, diretor de vendas e marketing das Lojas Volpato, com sede em Lagoa Vermelha, busca quebrar a tradição do cadastro administrado pelo ponto com novos operadores, como o Banco Sicredi. Será um caminho longo: hoje 75% das vendas são pelo CDC da rede. Apenas 6% do faturamento é registrado por players como Cielo e Redecard. “O Sicredi ofereceu 50% de redução em taxas”, comparou.

Para o consultor Xavier Fritsch, a liderança do CDC próprio frente aos cartões das grandes bandeiras domina os grupos com atuação regional. A soberania é explicada por excesso de confiança no controle sobre a conduta dos clientes na hora de gastar. Para Fritsch, o comando sobre a decisão de gastar estará cada vez mais na mão do consumidor, ou seja, no plástico que ele levar
no bolso. (PC).

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais