Inadimplência de pessoa física é a menor em dois anos e meio, diz BC

No mês passado, inadimplência de pessoa física recuou para 6,7%.
Para todas operações de crédito, inadimplência de 3,1% é a menor da série.

Mesmo com a alta dos juros bancários, os brasileiros…

No mês passado, inadimplência de pessoa física recuou para 6,7%.
Para todas operações de crédito, inadimplência de 3,1% é a menor da série.

Mesmo com a alta dos juros bancários, os brasileiros estão pagando mais suas contas. Segundo o Banco Central, a taxa de inadimplência dos consumidores pessoas físicas voltou a cair em novembro. Nas operações com os chamados “recursos livres”, a inadimplência ficou em 6,7% no mês, ante 6,8% em outubro.

Ainda de acordo com a autoridade monetária, este é o menor patamar desde maio de 2011 – quando a inadimplência somou 6,6%, ou seja, em dois anos e meio. A taxa de inadimplência do BC capta operações de crédito com atrasos superiores a 90 dias nos pagamentos.

No acumulado de 2013, a inadimplência recuou 1,3 percentual, visto que estava em 8% no fechamento do ano passado. As operações com recursos livres excluem o crédito habitacional, os empréstimos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o crédito rural.

“O aumento da renda é o principal elemento que explica a queda da inadimplência. É importante também a superação de taxas maiores de inadimplência, registradas em 2011, concentrada na modalidade de veículos”, declarou Tulio Maciel, chefe do Departamento Econômico do Banco Central.

Inadimplência total de empresas

Já a taxa de inadimplência das operações dos bancos com as empresas, ainda no segmento com “recursos livres”, somou 3,3% em novembro deste ano – com queda de 0,1 ponto percentual no mês. Para estas operações, trata-se da menor taxa desde abril de 2011 (3,2%).

Considerando a taxa total de inadimplência, o que engloba operações com as pessoas físicas e empresas, ainda nas operações com “recursos livres” (desconsiderando crédito habitacional, rural e operações do BNDES), houve queda de 0,2 ponto percentual em novembro, para 4,8%. É o menor valor desde março de 2011 (4,7%).

Com crédito direcionado, inadimplência é a menor da série

Considerando todas as operações de crédito bancário, o que inclui o crédito rural, empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao setor produtivo e os financiamentos habitacionais, que são modalidades com recursos direcionados (com taxas de juros mais baratas, pois destinam-se a financiar o setor produtivo, a agricultura e a compra de imóveis), a taxa total de inadimplência foi menor ainda em novembro: 3,1%. Segundo o BC, trata-se do menor patamar da série histórica, que começa em março de 2011.

Metodologia

A autoridade monetária mudou, no início deste ano, o formato de registro dos dados de inadimplência e, ao mesmo tempo, também desativou a série histórica que vigorava anteriormente. A instituição ainda não divulgou a nova série para os dados, que tem início em março de 2011. Com isso, estão disponíveis, neste momento, somente dados de dezembro do ano retrasado em diante

Veja também

    NoticiasMarketing

    NRF 2024 vista por dentro

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Encerrada a etapa das 4 edições do Talks pré 11ª FBV

    Veja mais
    Noticias

    Sindilojas Porto Alegre recebe prêmio da Confederação Nacional do Comércio (CNC)

    Veja mais
    Decretos e regrasNoticias

    Funcionamento do comércio no feriado de Tiradentes: saiba como será

    Veja mais