Inflação acelera para 1,24% em janeiro, maior taxa desde 2003

No acumulado em 12 meses, taxa subiu a 7,14%, muito acima do teto da meta. Resultado foi puxado por alta de 8% nas tarifas de energia.

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)…

No acumulado em 12 meses, taxa subiu a 7,14%, muito acima do teto da meta. Resultado foi puxado por alta de 8% nas tarifas de energia.

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 1,24% em janeiro, ante 0,78% em dezembro, informou o IBGE nesta sexta-feira. A taxa é a maior desde fevereiro de 2003, quando o índice chegou a 1,57%. Em janeiro de 2014, a taxa tinha sido de 0,55%. A estimativa média de economistas consultados pela agência de notícias Bloomberg era de 1,22%, com projeções entre 0,70% e 1,30%.

No resultado acumulado em 12 meses, a alta é de 7,14%, frente aos 6,41% janeiro a dezembro de 2014. A taxa é a mais elevada desde setembro de 2011, quando foi de 7,31%.

— A taxa de dezembro, de 0,78%, subiu para 1,24%, o que significa uma alta de aproximadamente 60%. Foi uma aceleração da inflação bastante expressiva. Os meses de janeiro geralmente registram alta do preço dos alimentos, mas este ano a seca aumentou o custo de alimentos, mas também de outros produtos importantes para o consumidor, como água e energia — afirmou Eulina Nunes, Coordenadora de Índices de Preços do IBGE.

Eulina também destacou os recordes registrados pela inflação em janeiro deste ano:

— Não se via uma taxa acumulada em 12 meses na casa dos 7% desde 2011, apesar de desde abril do ano passado estar na casa dos 6%. E também não se via inflação na casa de 1 dígito desde 2003.

Energia sobe mais de 8%

Apenas três grupos – Alimentos e bebidas, Habitação e Transportes – responderam por 85% do IPCA em janeiro. O preço de energia elétrica subiu 8,27% e foi o maior impacto individual na inflação de janeiro, com 0,24 ponto percentual. Entre os grupos, a maior influência veio de alimentos e bebidas, com alta de 1,48% e impacto de 0,37 ponto percentual.

Em dezembro, a energia elétrica tinha sido de 0,51%. Em 12 meses, o preço subiu 27,09% e também é o maior impacto individual na inflação, de 0,72 ponto percentual. Os preços do grupo habitação, onde está incluída energia, avançou 2,42% em janeiro, depois de aumento de 0,51% em dezembro.

Já os preços do grupo transportes subiram 1,83% em janeiro, após taxa de 1,38% em dezembro. O ônibus urbano subiu 8,02% no primeiro mês do ano, puxado pelas altas nas tarifas de Rio e São Paulo. No Rio, o reajuste foi de 11,67% e em São Paulo, de 12,67%. Também houve alta de 6,59% das tarifas de ônibus intermunicipais, de 6,59%, ao lado de aumento de 9,23% no metrô e de 8,95% no trem. O preço de passagens aéreas, por sua vez, teve deflação de 4,25%, devolvendo parte da alta de 42,53% de dezembro, por causa das festas de fim de ano.

Os grupos artigos de residência e vestuário registraram deflação em janeiro, contribuindo para amenizar a alta do IPCA no mês. O recuo dos preços foi de 0,28% e 0,69%, respectivamente. O grupo de despesas pessoais teve alta de 1,68% puxada pelo aumento de 6,89% de cigarro, de 1,50% de empregado doméstico e de 5,62% em excursão.

Analistas esperam estouro da meta no fim do ano

A menor demanda das famílias brasileiras se refletiu na deflação de artigos para casa, que inclui eletrodomésticos, e de vestuário. Embora o mês de janeiro seja de promoções do varejo, Eulina apontou que essa não foi a única razão para o resultado de janeiro:

— Essa deflação de vestuário e artigos de residência em janeiro tem a ver com as promoções da época, mas também com recuo de demanda. Já em dezembro, com as vendas de Natal, as lojas mostravam promoções.

Dos alimentos, a maior alta do mês de janeiro foi da batata-inglesa, de 38, 09%, seguida por feijão carioca, de 17,95%. O preço da carne subiu 1,55%, mostrando desaceleração frente aos 3,73% de dezembro. Em 12 meses, no entanto, o aumento do preço da carne é de 20,42%, o segundo maior impacto individual no IPCA.

Para 2015, a expectativa dos economistas é de que a inflação fique em 7,01%, acima do teto da meta do governo, que é de 6,5%. A inflação acumulada em 2014 foi de 6,41%, abaixo do teto da meta do governo, resultado maior que os 5,91% registrados em 2013. Na última década, entre 2005 e 2014, a inflação avançou 69,34%.

Veja também

    NoticiasMarketing

    Em busca do melhor ponto comercial

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Lajeado recebe a FBV Talks para debater o futuro do presente no varejo

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Café com Lojistas apresenta o significado do varejo e dicas do que está em alta ...

    Veja mais
    Noticias

    Reunião de Diretoria Ampla debate temas jurídicos relevantes ao comércio

    Veja mais