Loja Catarinense investe em técnicas para atrair os “pequenos” clientes

Os pequenos consumidores do século XXI sabem o que querem e fazem valer sua vontade, principalmente quando o produto em questão é para o seu uso.

Foi-se o tempo em que a palavra final sobre as compras da família era dos adultos. Os pequenos consumidores do século XXI sabem o que querem e fazem valer sua vontade, principalmente quando o produto em questão é para o seu uso.

Quem garante é Luciana Pozza, a sócia-proprietária da Catarinense, comércio voltado ao público infantil com três unidades em Porto Alegre. “Principalmente as meninas vêm na loja com as mães, escolhem as roupas que querem e são bem exigentes”. Segundo a lojista, quando mãe, tia, avó ou madrinha, por exemplo, vai sozinha, a condição para comprar uma peça é que o produto possa ser trocado caso a criança não goste da escolha feita pelo adulto.

Luciana Pozza tem longa experiência no varejo (o negócio herdado do pai tem mais de 40 anos) e percebe uma diferença no comportamento do “consumidor infantil”, pois as mães atualmente dão mais liberdade para que os filhos manifestem suas preferências e façam suas escolhas em relação às roupas que querem usar.

Esse aprendizado veio naturalmente, observando as preferências da criança, conversando com suas clientes que são mães e percebendo as mudanças. As uniades da Catarinense, que não são grandes espaços, conseguem atrair a criançada usando algumas técnicas simples que podem servir de exemplo para outros setores, além da moda infantil, segundo Luciana, é importante trabalhar bem as vitrines, separar um cantinho para uma mesa com giz de cera e papeis para desenho e propor atividades que promovam interação, além, é claro, de deixar os produtos na altura das crianças para que elas possam vê-los, tocá-los e fazer suas escolhas.

Trabalhando com roupas básicas e de grife para crianças de 0 a 8 anos de idade, Luciana identificou que as meninas a partir dos 4 anos já gostam de decidir. Então, as roupas para esse público estão dispostas em araras mais baixas. “Elas entram na loja e vão direto procurar as novidades para o seu tamanho, pois já sabem onde ficam”, revela Luciana. Os produtos para bebês ficam nas prateleiras e cabides mais altos.

Luciana não descuida do calendário e promove eventos em algumas datas especiais, oferecendo diferentes atrações, como brinquedos dispostos na calçada em frente à loja, guloseimas e sorteios. Neste ano, a festa de aniversário da Catarinense contou com um sorteio de almofadas. Para participar, as crianças pintavam o desenho que ficava exposto no PDV. Mais adiante, houve um sorteio desses trabalhos e os pequenos vencedores ganharam almofadas de bichinhos. Para o Dia das Crianças, a preparação começou cedo e já em julho estavam comprados os três patinetes que serão sorteados no evento. “Quem é mãe sabe como é bom quando agradam nossos filhos. Esses eventos são um mimo que fazemos, e as mães relatam que as crianças ficam felizes em participar”, afirma a lojsta.

Para divulgar essas atividades especiais, a Catarinense se vale das redes sociais e de elementos de comunicação no próprio PDV, e decoração temática das vitrines. Embora a realização dos eventos não resulte imediatamente em maior faturamento, Luciana revela que eles promovem engajamento com a marca.

>> Gostou desse conteúdo? Ele faz parte da Revista Conexão Varejo!

Clique aqui para ler a edição completa online.

Veja também

    Cursos e eventosNoticias

    Como reter e engajar a Geração Z foi tema de evento do Sindilojas POA

    Veja mais
    Noticias

    Programação de atividades para a obra do quadrilátero central: 20/04 a 25/04

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    NRF 2024 vista por dentro

    Veja mais
    Cursos e eventosNoticias

    Encerrada a etapa das 4 edições do Talks pré 11ª FBV

    Veja mais