Lojas ganham nova roupagem

Para competir no mercado, não basta ter bons produtos. O conceito-chave é se diferenciar. E é com base nesta máxima que cada vez mais lojistas optam por não seguir padrões no formato dos negócios. O…

Para competir no mercado, não basta ter bons produtos. O conceito-chave é se diferenciar. E é com base nesta máxima que cada vez mais lojistas optam por não seguir padrões no formato dos negócios. O exemplo mais recente de modelos nada convencionais são as chamadas pop up stores, que começam a chegar a Porto Alegre. Elas abrem com um objetivo bastante claro por um curto período de tempo.

Na Capital, a Toyota apostou no conceito. A ideia foi lançar uma revenda temporária no shopping Praia de Belas por cinco semanas, uma forma de se aproximar do público e divulgar a concessionária recém-inaugurada a menos de dois quilômetros dali. A iniciativa vai ao encontro de uma máxima do varejo: “as três coisas mais importantes são a localização, a localização e, por fim, a localização”, brinca Paulo Meira, coordenador do MBA em Marketing da Universidade Ritter dos Reis – UniRitter. Por outro lado, as pop up stores contrariam um princípio clássico da década de 1950, a Teoria da Roda do Varejo. Segundo ela, novos tipos varejistas desafiam as instituições existentes ao oferecer baixo status, baixa margem de ganho e baixo preço. Com êxito no mercado, entretanto, eles passam a se sofisticar, agregando mais serviços em suas operações, e, por fim, assemelham-se às instituições que desafiaram, dando, por sua vez, espaço para que novos entrantes de baixo preço e nível de serviço entrem no mercado, na roda. Para Meira, no entanto, esse novo formato segue outra linha. “As pop up stores contrariam a Teoria da Roda do Varejo, pois já iniciam com alto nível de serviço, em geral, e mais atraentes que as lojas de baixo preço.” Assim como os supermercados marcaram os anos 1930 nos Estados Unidos e os shopping centers delinearam a década de 1950, as pop up stores podem se consagrar como a marca do século XXI. Pontas de estoque, com as quais a clientela já está mais acostumada, também encontraram na temporalidade a estratégia para dar certo. A Etiquetário, na Chácara das Pedras, funciona apenas três vezes ao ano, mesmo com os pedidos insistentes das compradoras para que a loja seja fixa. Já o Armazém das Fábricas, de Novo Hamburgo, vende calçados na Capital sazonalmente para medir se valia a pena abrir um espaço em Porto Alegre. E valeu. Há até quem venda roupas em caixas gigantes de metal. Em uma viagem a Singapura, o empresário André Krai encontrou a resposta para um projeto inovador. Ele se deparou com uma loja dentro de um contêiner e percebeu que o conceito poderia dar certo no Brasil. Dali nasceu a Container Concept Store (CCS), agora patenteada na América Latina. A ideia demorou sete anos para ser posta em prática, devido a todos os desafios que é vender roupas dentro de uma grande caixa de metal, e existe há dois anos. A loja que Krai conheceu no exterior era pequena e, segundo ele, também mais conceitual. Já os contêineres do empresário têm dois andares. “Dessa maneira ela é quase um outdoor ambulante, com duas vitrines gigantescas”, relata ao lembrar que experimentou empreender com apenas um piso e que não funcionou. A loja de Singapura tem uma linha ambiental, e esse princípio o empresário brasileiro seguiu. “As pessoas adoraram a ideia de serem ecologicamente corretas”, relata. As araras são recicladas de partes de ônibus antigos, a madeira vem de áreas reflorestadas e outros materiais são provenientes de ferro velho. Krai conta com cinco unidades próprias no Estado – em Nova Petrópolis, Caxias, Dois Irmãos, Novo Hamburgo e Xangri-lá – e de uma em Lages, em Santa Catarina. A iniciativa já deu tão certo que virou franquia, com quatro vendidas. A previsão para 2010 é que mais 20 sejam negociadas. A aceitação desse formato inovador de loja se deve também ao baixo custo para os franqueados. Antes de viajar a Singapura, o idealizador pensou em levar o vestuário da sua fábrica própria para os shoppings de outras regiões do Brasil. Porém, o investimento era mais elevado. Um benefício da CCS é ser uma multimarca. Assim, é possível vender as grifes que quiser, além das próprias marcas de Krai, a Intuição e a Container, esta criada com o projeto. A loja em contêiner não foi pensada com o propósito de ser deslocada por aí, de cidade em cidade. A ideia é apenas chamar a atenção dos clientes devido ao formato e baratear o custo de se ter um empreendimento. Ainda assim, outro atrativo para os investidores é a mobilidade do negócio. “Se não der certo, vai para outro lugar”, afirma.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais