“Motivação é intrínseca. Pode-se, no máximo, estimulá-la”

Mesa-redonda do segundo dia do Congresso para o Desenvolvimento do Varejo discutiu a motivação de equipe na tarde desta quinta-feira.
O presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos, Seccional Rio…

Mesa-redonda do segundo dia do Congresso para o Desenvolvimento do Varejo discutiu a motivação de equipe na tarde desta quinta-feira.
O presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos, Seccional Rio Grande do Sul (ABRH-RS), Orian Kubaski iniciou a mesa-redonda desta quinta-feira, 11 de julho, do Congresso para o Desenvolvimento do Varejo, destacando que o diferencial das empresas são as pessoas e que a motivação é intrínseca, podendo, no máximo, ser estimulada. Na ocasião, o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Ronaldo Sielichow, ressaltou a importância do exemplo, ética e transparência com o colaborador, e o diretor de Recursos Humanos do Grupo RBS, Rodrigo Azambuja, a reestruturação do modelo de gestão da área na empresa. Promovido pelo Sindilojas Porto Alegre, o evento paralelo à 1ª Feira Brasileira do Varejo (Febravar) segue até sexta-feira, 12, com visitação gratuita, das 14h às 20h, no Centro de Eventos do Hotel Plaza São Rafael. Apenas as conferências marcadas para as 19h exigem a compra de ingresso, que pode ser feita no site do evento ou na própria feira.
Kubaski citou a frase utilizada por Eisenhower na 2ª Guerra Mundial: “Motivação é a arte de fazer as pessoas fazerem o que você quer que elas façam porque elas o querem fazer”. Ele explicou que elementos psicológicos como autoestima, empatia e afetividade incidem sobre a motivação. Para estimulá-la, afirma, é preciso conquistar a confiança, prometer apenas o que pode cumprir, saber expressar ideias e certificar-se de seu entendimento, colaborar, valorizar as ações da equipe, ser exemplo e formar novos líderes. Já para obter comprometimento e foco, Kubaski observa a necessidade de promover recompensas, dar feedback e de dar importância às pessoas e aos resultados que as mesmas produzem. O presidente do Sindilojas Porto Alegre, Ronaldo Sielichow completa que, independente do tamanho, todas as empresas devem ser geridas como se fossem grandes: “É preciso ter políticas e metas claras, cobrar, avaliar e desenvolver treinamentos”.
Azambuja relatou que o Grupo RBS está baseado em quatro pilares: pessoas, cultura, liderança e execução. Por isso, conta, o modelo de gestão de Recursos Humanos está focado na atração de profissionais com aderência à cultura da empresa, gestão relacionada a um processo de avaliação trimestral e no desenvolvimento pessoal realizado através de investimentos em treinamento. “Apenas este ano, o Grupo já contratou 1,2 mil profissionais. Implantamos um modelo de meritocracia, pois constatamos a vontade que os colaboradores têm de contribuir e transformar. Eles querem ser diferenciados pelas entregas que fazem”, acrescentou. E finalizou a explanação dizendo que, hoje, as mudanças ocorrem tão rapidamente que os profissionais já saem defasados das universidades e que o mercado encontra dificuldades na retenção de talentos. “O profissional atual é muito mais veloz. Permanece, no máximo, três anos na mesma empresa. Após esse período, quer crescer em outra cultura”, conclui.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais