Mulheres são quase a metade dos trabalhadores do comércio

As mulheres representam quase a metade dos trabalhadores do comércio no País, variando entre 43,3%, em São Paulo e 48,5%, em Salvador, segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira pelo Dieese…

As mulheres representam quase a metade dos trabalhadores do comércio no País, variando entre 43,3%, em São Paulo e 48,5%, em Salvador, segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). A população feminina no setor chega a 860 mil, sendo que 60% trabalha formalmente.

Apesar de ligeiramente inferior à dos homens, a jornada de trabalho feminina ultrapassou a quantidade legal de horas trabalhadas em todas as regiões pesquisadas, exceto em Belo Horizonte (com 43 horas semanais). As mulheres trabalham mais em Recife e em Fortaleza (47 horas semanais). Já em São Paulo, Salvador e no Distrito Federal, são 45 horas por semana.

Segundo a entidade, a remuneração ainda é desigual entre homens e mulheres no comércio. Em 2009, com exceção de Fortaleza e Recife, as trabalhadoras recebiam em média 88,5% do rendimento dos homens.

Ainda segundo a pesquisa, a maior parte das mulheres assalariadas no comércio é adulta, com idade entre 25 e 39 anos. Estas correspondem a 45,1% das trabalhadoras em São Paulo e chegam a 52,6% em Salvador. As jovens entre 16 e 24 anos também têm participação expressiva e correspondem a aproximadamente um terço da categoria. Comerciárias com 40 anos ou mais, encontram-se em maior proporção em Belo Horizonte (19,3%) e têm menor representatividade no Distrito Federal (12,9%).

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais