Nota eletrônica gira mais de R$ 120 bilhões

Empresas de todo o País estão ampliando suas movimentações no sistema de nota fiscal eletrônica (NF-e), e o Rio Grande do Sul está disponibilizando seu ambiente para que outros estados possam ampliar ainda…

Empresas de todo o País estão ampliando suas movimentações no sistema de nota fiscal eletrônica (NF-e), e o Rio Grande do Sul está disponibilizando seu ambiente para que outros estados possam ampliar ainda mais a utilização de notas eletrônicas, especialmente em função da obrigatoriedade de uso para vários setores. A integração da Secretaria da Fazenda com a Procergs já permitiu que mais de R$ 120 bilhões fossem movimentados entre empresas de forma eletrônica.

Além de emitir suas próprias notas, o Rio Grande do Sul tem beneficiado os estados do Acre, Amazonas, Rio de Janeiro, Amapá, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Alagoas, Roraima, Santa Catarina, Sergipe, Tocantins e Rondônia, signatários de um protocolo com a Sefaz. “Esse sistema é um exemplo de ação integrada dos estados, que trará benefícios para todo o País. Quanto mais utilizarmos o sistema da nota fiscal eletrônica, maior controle teremos sobre os processos tributários. Ganham as empresas que cumprem corretamente com suas obrigações e o Estado”, avalia o secretário da Fazenda, Aod Cunha.

Segundo o diretor da Receita Estadual, Júlio César Grazziotin, os 12 estados integrados à Sefaz Virtual gaúcha possuem, juntos, mais de 2 mil empresas sujeitas à obrigatoriedade da NF-e e já emitiram 3,5 milhões de notas em ambiente de produção.

Desde abril, com o início da obrigatoriedade para os setores de cigarros e combustíveis, somente o Rio Grande do Sul autorizou o uso de 4,8 milhões de notas, totalizando mais de R$ 77 bilhões em operações de cerca de 400 empresas. Esses números modificam-se diariamente, na medida em que as empresas associadas realizam suas rotinas de trabalho e emitem a NF-e.

Para o mês de dezembro, está prevista a inclusão da obrigatoriedade aos setores de carnes e frigoríficos, de fabricação de veículos, cimento, aço, bebidas e comércio de energia elétrica com contratação livre. Com esses novos setores, o número de empresas chegará a três mil apenas no Rio Grande do Sul. O número deve aumentar de forma exponencial com as ampliações da obrigatoriedade de uso previstas para entrar em vigor em abril e em setembro de 2009, atingindo vários outros segmentos da economia. “A idéia é implantar a NF-e de forma gradual, prestando orientações para que as empresas possam se adequar à legislação e aos sistemas”, explica Vinícius Pimentel de Freitas, líder do projeto no Estado.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais