O varejista precisa se reinventar

Diante do cenário de crise que vive a economia nacional, a saída é se reinventar. Essa foi uma das principais mensagens dos debatedores da mesa-redonda “O poder do varejo na economia”, mediada pela…

Diante do cenário de crise que vive a economia nacional, a saída é se reinventar. Essa foi uma das principais mensagens dos debatedores da mesa-redonda “O poder do varejo na economia”, mediada pela economista-chefe da Fecomércio-RS, Patrícia Palermo, com a participação de Alexandre Englert Barbosa, economista-chefe do Sicredi, Fabio Branco, secretário Estadual de Desenvolvimento Econômico, e César Saut, vice-presidente corporativo da Icatu Seguros, no primeiro dia da Febravar – Feira Brasileira do Varejo.

“Vivemos um pessimismo generalizado, mas há quem cresça na crise. Talvez o varejista que não se adaptar, que entre na onda, vá sofrer. Talvez o varejista que faça alianças estratégicas, que redimensione seus custos, vá vender melhor”, avaliou César Saut utilizando exemplos como a própria Icatu e Sicredi, que crescem anualmente e continuam com projeção de crescimento. Segundo Saut, treinar é a palavra de ordem e saber enxergar as pessoas que realmente estão fazendo a diferença na empresa é fundamental.

Com uma visão menos otimista, Alexandre traçou um cenário um pouco pessimista (já disse antes que era menos otimista) para o varejo nos próximos anos, se comparado ao salto que deu nos últimos tempos. “O varejo foi o último setor a perder o ímpeto porque no país se adotou modelos que eram de incentivar o consumo e isso motivou um crescimento exuberante. Só que não é possível manter esse nível de vendas”, avalia. No entanto, ele tem a mesma visão de que para se manter no mercado é preciso inovar. Procurar novos nichos a serem explorados e mudar a visão. “Vai ter que tomar clientes da concorrência”, afirmou.

A forma como o governo Sartori vem tratando as finanças e a gestão do Estado foi usada como exemplo pelo secretário Fábio Branco para mostrar como é possível fazer política com eficiência e aumento de produtividade. “A fusão da nossa secretaria já sinaliza esse conceito de que todos devem participar do processo, se comunicando e aproximando setores”, disse ele ao ser questionado sobre as políticas do Governo para o setor varejista. Segundo ele, a reativação do Fórum Permanente das pequenas e microempresas também é uma resposta ao setor.

O secretário concorda que quem não for diferente, inovador, sempre pensando no que os consumidores querem, vai perder espaço. Mas ele acredita que, com união, o Rio Grande do Sul pode superar a crise. “Precisamos nos juntar para transformar o Estado”.

César Saut complementou ainda que “quem se preocupa demais com a crise, não enxerga a solução”.

Veja também

    PesquisaNoticias

    Vendas de eletrodomésticos típicos de frio estão em alta

    Veja mais
    Noticias

    Entidades empresariais cobram agilidade da União para a liberação de recursos a...

    Veja mais
    Noticias

    Transforme talento em marca de sucesso

    Veja mais
    Noticias

    Campanha de incentivo ao comércio local para reerguer Porto Alegre tem apoio do S...

    Veja mais