O voo da economia

Depois de obter o maior avanço em 24 anos, em 2010, desafio é reduzir ritmo para manter crescimento contínuo do país

Um dia depois de ter elevado o juro básico em meio ponto percentual para frear a economia, o governo anunciou ontem que o país registrou no ano passado a maior expansão do Produto Interno Bruto (PIB), indicador que mede as riquezas do país, desde 1986.

Com os 7,5%, em crescimento o Brasil só fica atrás da China e da Índia entre as principais economias globais (veja ranking na página ao lado) e teria alcançado o posto de sétima maior do mundo, segundo projeções do ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Apesar de expressivo, o resultado mostra uma fotografia velha: a economia terminou o ano em desaceleração e, em 2011, o desafio de crescer entre 4,5% e 5% esbarra num cenário externo adverso e numa ameaça cada vez mais real de aumento de inflação.

Mantega reconheceu ontem que o crescimento em ritmo chinês, apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é insustentável e indesejável: – Mostra a capacidade produtiva da economia brasileira. Vamos continuar crescendo, mas com equilíbrio para afastar problemas de abastecimento e de inflação.

O avanço do ano passado foi motivado principalmente pela indústria e pelo consumo das famílias. A economia, porém, já está esfriando, aponta o economista-chefe do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial, Rogério Cézar de Souza: – O que não quer dizer que 2011 será um ano ruim. Mas para crescer de modo sustentável, sem inflação, é preciso melhorar questões ligadas à infraestrutura.

A desaceleração provocada pelo governo já é visível: a indústria gaúcha, segundo a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), registrou retração pelo segundo mês consecutivo em janeiro, caindo 0,5% em relação a dezembro. A inflação, atacada com um corte de gastos de R$ 50 bilhões detalhado na terça-feira pelo governo e com o segundo aumento do juro na era Dilma, também não dá sinais de trégua.

Dilma reforça ação contra a inflação

Em nota, a Confederação Nacional da Indústria alertou que causa preocupação o recuo da atividade industrial no segundo semestre do ano passado. Entre as centrais sindicais, CUT e Força Sindical criticaram os juros “estratosféricos” que travam o crescimento do setor produtivo. Ainda assim, espera-se mais esfriamento.

Ontem, em encontro em Brasília, a presidente Dilma Rousseff e o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, conversaram sobre os riscos do superaquecimento da economia e a necessidade de crescimento “lento e estável” dos países emergentes. – É chegado o momento de desacelerar a economia – afirmou Strauss-Kahn sobre o Brasil após o encontro.

A presidente chegou a comentar: – O pibão foi bom – disse, quando se deslocava para a rampa do Palácio do Planalto a fim de recepcionar o primeiro-ministro do Timor Leste, ao responder uma pergunta de um jornalista.

Mais tarde, em entrevista coletiva à imprensa, elogiou o crescimento de 7,5% da economia, mas reforçou que para este e os próximos anos espera taxas em torno de 4,5% a 5%. Dilma ressaltou que o governo está empenhado em ajustes para permitir que o crescimento do PIB possa ser contínuo. – Esse número demonstra que o Brasil tem capacidade de crescer a essas taxas e, nos próximos anos, não acreditamos que repetiremos esses 7,5%, mas ficaremos numa faixa de 4,5%, 5% tranquilamente.

Dilma reforçou ainda a preocupação do governo com a estabilidade dos preços: – Não vamos deixar a inflação ficar fora de controle. Vamos ter um olho na estabilidade e outro nos investimentos.

O cenário externo também é um complicador. O economista Antonio Carlos Fraquelli, da Fundação de Economia e Estatística (FEE) lembra que a crise nos países árabes coloca o preço do petróleo como uma incógnita. – Aquele 2011 de recuperação da economia mundial já começa a ficar distante – avaliou.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais