PAC 2 dará R$ 1 bi para obras na Capital e em 38 cidades

O governo federal assinou ontem os termos de cooperação federativa das obras selecionadas para prefeituras e governos estaduais da primeira fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). No Rio…

O governo federal assinou ontem os termos de cooperação federativa das obras selecionadas para prefeituras e governos estaduais da primeira fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). No Rio Grande do Sul, os investimentos para as cidades que compõem o Grupo 1 do PAC – capitais, regiões metropolitanas e cidades com mais de 100 mil habitantes – somam R$ 1 bilhão e contemplam ações em Porto Alegre e em mais 38 cidades.

Essa seleção alcança projetos de saneamento, habitação, pavimentação e contenção de encostas e áreas de risco e instalação de Unidades Básicas de Saúde (UBS), Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Praças do PAC, voltadas para as cidades maiores. Os municípios menos populosos terão a seleção de seus projetos anunciada ainda em dezembro.

Nesta primeira fase, o Rio Grande do Sul receberá R$ 924 milhões em investimentos em drenagem, habitação, saneamento e pavimentação, além de 23 Praças do PAC, 79 unidades básicas de saúde e oito unidades de pronto atendimento. Em todo o País, os projetos anunciados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em solenidade em Brasília, com a presença de governadores e prefeitos, chegam a R$ 18,55 bilhões.

“O PAC demarca a retomada da capacidade de planejamento de médio e longo prazo do Estado brasileiro, que esteve abandonada nas duas décadas anteriores ao lançamento do programa. Com ele, além de garantir os aportes em infraestrutura de transportes e energia essenciais ao crescimento da economia, estamos realizando melhorias significativas nas cidades brasileiras”, avalia a coordenadora do PAC e futura ministra do Planejamento, Miriam Belchior.

Dos 477 municípios que compõem o grupo 1 – onde vivem 60% dos brasileiros -, 440 estão inclusos nesta primeira seleção, o que equivale a 93%. Os demais, que não apresentaram projetos ou não os tinham no perfil adequado, poderão participar da segunda rodada das mesmas ações, prevista para 2011. Estão disponíveis também recursos para apoiar as prefeituras a elaborar projetos.

PAC deve ir para o Planejamento, sugere Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem, em discurso no Palácio do Planalto, que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) deve ir para o Ministério do Planejamento no ano que vem, com a nova ministra, Miriam Belchior, a quem o presidente chamou de “essa moça”. “Essa moça (Miriam Belchior) vai para o Planejamento e junto com ela deve levar essas coisas do PAC, que ela conhece como ninguém”, disse Lula. Miriam Belchior atualmente coordena o programa no âmbito da Casa Civil.

Um dos eixos do PAC 2 é voltado para a infraestrutura urbana e foi batizado de Cidade Melhor. As propostas selecionadas são de obras como urbanização de favelas e assentamentos, abastecimento de água, coleta de esgoto e contenção de encostas.

Veja também

    Noticias

    Nota Oficial: Falta de luz no centro de Porto Alegre

    Veja mais
    Noticias

    Ministério do Trabalho prorroga portaria sobre funcionamento do comércio aos fer...

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Conheça as principais tendências globais de consumo para 2024

    Veja mais
    NoticiasMarketing

    Novas experiências para o consumidor leitor

    Veja mais